Esporte

Foto: Divulgação

Com a conquista da 5ª etapa do Campeonato Tocantinense de Judô, realizada neste final de semana, no Colégio Militar de Palmas, a equipe Palmas Judô Clube se mantém invicta na competição e já se sagra campeã estadual na temporada 2016 com três etapas de antecedência. No total de pontos somados nesta edição, a PJC alcançou 28.064, estando 12.998 à frente do segundo colocado Sesc, que tem 15.066 e, assim, não pode mais alcançar o líder do ranking.

As conquistas do Tocantinense 2016 pela Palmas Judô Clube veio com 32 medalhas de ouro, 13 de prata e 5 de bronze na 5ª etapa, o que garantiu o topo do pódio. Na sequência, ficaram o Sesc (16; 8; 2), Araguaína/Aocam (16; 3; 7); Guerra/Sesi (8; 3; 4) e Dom Bosco (2 ouros).

Com apenas um ano e cinco meses de fundação, a PJC já soma dois resultados expressivos no ranking tocantinense, sendo o destaque o inédito título tocantinense, muito comemorando pelo fundador, líder da equipe e faixa preta 5º Dan, Celso Galdino. “É importante a conquista do estadual porque mostra a qualidade do trabalho que vem sendo desenvolvido pela caçula tocantinense que, já no primeiro ano, foi vice-campeã e, agora, em sua segunda participação no ranking, já é a campeã com três etapas de antecedência e com uma grande diferença no quadro geral de medalhas”, contou o Sensei.

JEJ e Jets

O reflexo da supremacia da PJC no cenário tocantinense também é notado na definição das delegações que defenderão o estado nos Jogos Escolares da Juventude (JEJ), isto por meio da disputa dos Jogos Estudantis do Tocantins (Jets), também realizados neste final de semana para as categorias 12 a 14 anos e 15 a 17 anos.

No total de 27 atletas que vão compor as duas delegações tocantinenses para o JEJ, 11 integram a PJC [cinco na 12 a 14 anos; e seis na 15 a 17], sendo a segunda equipe com maior número de representantes o Sesc, com seis judocas. De acordo com o Sensei Celso, “sermos a maioria nas representações ao Tocantins em campeonatos fora do estado também é fruto dos treinamentos realizados no Dojô e um sinal claro de que estamos no caminho certo na formação de atletas competitivos de alto-nível”