Polí­cia

Foto: Divulgação

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (Derfrva), realizou na manhã desta quarta-feira, 24, mais uma operação de combate a máfia do carro clonado, em Palmas.  Na oportunidade, os policiais civis da Derfrva, coordenados pelo delegado Rossílio Souza Correia, tiraram de circulação, um veículo Fiat, Siena, ano 2010, de cor prata, o qual havia sido roubado, em Brasília.

Conforme esclareceu o delegado, os policiais civis realizavam investigações de rotina, próximo ao centro de comércio popular, no centro da Capital, quando se depararam com o referido veículo, o qual levantou suspeita de que pudesse ser objeto de origem criminosa. Desta maneira, os agentes efetuaram a abordagem da pessoa que estava de posse do veículo e, após uma rápida verificação, constataram fortes indícios de adulteração, no chassi, motor, placas e vidros do carro.  

O delegado Rosssílio informou que o veículo foi roubado, em outubro de 2013, em Brasília e, logo após, foi trazido para Palmas, onde teve suas características originais adulteradas. “Esse carro é considerado pela Polícia Civil como dublê ou clone, uma vez que teve suas características originais reproduzidas pela semelhança de cor, modelo, chassis, lacre, etiquetas e numeração dos vidros, em outro veículo idêntico” pontuou.

No momento da apreensão, o carro ostentava as placas ENO – 9435 – GO, no entanto, após os levantamentos realizados pela equipe de investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos de Roubos de Veículos, foi constatado que, na verdade, a placa original do veículo é: JHN 9731 – GO.

Diante das evidências de prática criminosa, o automóvel foi levado à Delegacia, onde foi submetido à perícia oficial do Estado, que constatou que, realmente, se tratava de um veículo roubado e clonado. Após os procedimentos cabíveis, o veículo apreendido será devolvido ao seu legítimo dono, que reside em Brasília.

Ao ser ouvido pelo delegado, o indivíduo que estava de posse do veículo clonado, afirmou que havia comprado o carro, na última terça-feira, 23, pela quantia de 16 mil reais e não sabia que se tratava de um carro roubado. Diante dos fatos, ele foi liberado, no entanto, as investigações continuam, no intuito de localizar as pessoas que venderam o automóvel roubado.

“Estamos intensificando as ações de combate à máfia do carro clonado, com o objetivo de tirar das ruas de Palmas e demais municípios do estado, veículos roubados que circulam como se fossem legalizados. E nesse sentido, não temos medido esforços para mapear e localizar esses carros piratas e fazer com que os indivíduos, que estejam de posse dos mesmos, respondam por seus crimes, conforme determina a lei”, ressaltou.