Esporte

Foto: Divulgação O fogo é uma presença importante para os povos indígenas O fogo é uma presença importante para os povos indígenas
  •  Indígenas relembram brincadeiras tradicionais em jogos

Várias modalidades fizeram parte da Terceira Edição do Campeonato dos Jogos Indígenas Krahô, no município de Itacajá, que foi apoiada pela Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc). As modalidades disputadas foram natação, arco e flecha, corrida de tora masculina/ feminina e futebol masculino/ feminino. Durante a competição foi feita, também, a escolha da miss Krahô.

Os Jogos Krahô representam mais que uma simples competição. A diferença está no fato de que todos os representantes dos jogos são vencedores e ganham medalhas. Isso os diferencia de outras disputas esportivas que premiam os vencedores em primeiro, segundo e terceiro colocados. Mesmo no concurso para a escolha da miss, todas as garotas que desfilaram foram condecoradas.

A gerente de Desenvolvimento da Educação Indígena, professora Cleide Araújo Barbosa, acompanhou os jogos em Itacajá. Para ela “a importância dos Jogos Krahô não é apenas a competição em si, mas a socialização que acontece entre as famílias durante o evento. Eles retornam para suas aldeias mais confiantes e mais acreditados em suas manifestações culturais”.

Para o cacique Dodany Peken, os jogos fortalecem as músicas, a pintura e renova a cultura. “Os jogos dos povos Krahô existem há muito tempo. Entretanto, não eram conhecidos da forma que é feita atualmente. Há muito tempo, os velhos já faziam várias modalidades esportivas, mas não eram conhecidas com o nome de jogos”, destacou.

Dodany Peken é o Pahhy (cacique na linguagem Krahô) há mais de dez anos. Ele é o pai do coordenador dos Jogos. Para o cacique, dependendo da festa é necessário ter o fogo e, na cultura indígena, a onça era a detentora do fogo. “Nós buscamos o fogo e o trouxemos para a aldeia. Quando todo mundo viu o fogo, cantou, ficou animado porque todo mundo ia comer a coisa cozida, assada, fizeram a festa. Por isso, quando tem fogo, tem que ter alegria, para não deixar morrer”, concluiu.

Para a coordenadora Cleide Araújo, a Seduc está cumprindo o seu papel ao apoiar o evento, no que se refere aos direitos dos indígenas quanto ao desporto e à preservação da cultura.  “A Seduc proporcionou o apoio logístico de transporte e a alimentação dos Khahô, o que facilitou a realização, com sucesso, do evento esportivo”, explicou.

Para o ano de 2017, a coordenadora espera que os Jogos Indígenas Krahô sejam institucionalizados e envolvam as sete etnias tocantinenses, tornando o evento oficial, assim como os Jogos Estudantis do Tocantins (Jets), que já fazem parte do calendário esportivo/esportivo do Estado.

A secretária do Conselho Indigenista, Lúcia Rosângela Flor, técnica da Gerência de Desenvolvimento da Educação Indígena da Seduc, reforçou a relevância dos jogos. “Os jogos são muito importantes porque ajudam a evitar o uso de bebida alcoólica e outras drogas que também entram na vida dos indígenas”, frisou.