Polí­tica

Foto: Divulgação Cristian Zini afirma que Raul deixou a cidade repleta de buracos, na escuridão e com casos recordes de dengue Cristian Zini afirma que Raul deixou a cidade repleta de buracos, na escuridão e com casos recordes de dengue

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos de Palmas, Christian Zini, afirmou na manhã desta quinta-feira, 1º de setembro, que o candidato a prefeito Raul Filho (PR) mente sobre o projeto de mobilidade do Bus Rapid Transit (BRT) e usa famílias impactadas com “fins politiqueiros”.

“O ex-prefeito mente ao dizer que é dele o projeto do BRT. Até aí, tudo bem, é uma prática comum dele, mas daí usar famílias impactadas nessa mentira para fins politiqueiros é um absurdo”, afirmou Zini.

A crítica de Zini se refere ao fato de Raul ter usado em seu programa eleitoral na TV que foi dele o projeto BRT de Palmas e falou sobre o tema com moradores do Jardim Aureny. 

“Ele, de novo, falta com a verdade. Como um prefeito que deixou a cidade daquela forma em 2012, repleta de buracos, na escuridão, com casos recordes de dengue iniciou um projeto dessa magnitude como o BRT?”, questionou Zini.

Projeto de Palmas

Zini afirmou que o BRT é um projeto que se transformou em bandeira de Carlos Amastha ainda na campanha municipal de 2012. No ano seguinte, a então presidente Dilma Rousseff autorizou o projeto, com a liberação da verba para sua licitação, lançada em 2015. 

“O prefeito Amastha, diferente dos tradicionais políticos, não faz questão de assumir paternidade de alguns projetos. Ele não tem essa vaidade. Tanto é que ele diz que o BRT é um projeto de Palmas, de todos, desde aqueles que idealizaram Palmas há 27 anos até as futuras gerações. Mas, a verdade tem que ser dita. Quem lutou, brigou é Amastha”, comentou o secretário.  

Ações Concretas

Para justificar a sua declaração, Zini destaca alguns exemplos concretos da iniciativa de Amastha sobre o BRT. Além dos trâmites burocráticos do projeto, como a licitação, a prefeitura já pagou indenização a dez famílias impactadas pela expansão do sistema. São oito famílias do Aureny III e dois do Jardim Santa Helena, que receberam escritura definitiva do novo terreno, no Aureny III. 

“A gestão discute também com outras famílias impactadas. Elas terão escritura definitiva do novo lote e serão indenizadas das benfeitorias do local impactado, ou seja, tudo que elas têm direito”, finalizou.