Polí­cia

Foto: Divulgação

Dando continuidade às ações de repressão e combate ao tráfico de drogas no Estado do Tocantins, na noite da última quarta-feira, 14, policiais civis da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos (Denarc), com apoio da Polícia Militar, prenderam em flagrante, Rafael O. V. e Wesley S. O.. Ambos são suspeitos pela prática do crime de tráfico de drogas e foram presos, respectivamente, em Palmas e Paraíso do Tocantins.

Conforme o delegado titular da Denarc, Guilherme Rocha Martins, o primeiro a ser capturado foi Rafael. “Passamos a monitorar o Rafael devido a suspeitas de que o mesmo estaria transportando certa quantidade de drogas de Paraíso para Palmas e, quando o indivíduo chegou a capital, conduzindo uma motocicleta, fizemos sua abordagem e após, buscas pessoais, encontramos 3 kg de maconhas, acondicionados, dentro de uma mochila que o autuado carregava consigo”, frisou o delegado. 

Após a prisão, os policiais civis receberam denúncias de que Rafael estaria praticando tráfico de drogas, em Paraíso já algum tempo e, desta maneira, as equipes da Denarc foram até àquele município, onde localizaram mais drogas, bem como uma balança de precisão, que estavam escondidos na casa do investigado.

Durante as buscas na casa de Rafael, os agentes fizeram a abordagem e prisão de Wesley, vulgo “Grande”, o qual conduzia uma motocicleta sem placa, e após consulta com número do chassi, constaram que a mesma tinha ocorrência de roubo.

Os dois suspeitos foram presos em flagrante e, após os procedimentos cabíveis foram recolhidos na carceragem da Casa de Prisão Provisória de Paraíso, onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário. Segundo o delegado Guilherme, as ações da Denarc foram intensificadas e mais prisões e apreensões podem ocorrer, dentro dos próximos dias.

“As equipes da Denarc estão trabalhando, diuturnamente, no combate ao tráfico de drogas, para que a sociedade tocantinense possa ter mais paz e tranquilidade, uma vez que as drogas comercializadas por traficantes, muitas vezes, são a porta de entrada para a prática de outros ilícitos penais”, ressaltou o delegado.