Polí­cia

Em sessão do Tribunal do Júri ocorrida, no último dia 20, na cidade de Colinas do Tocantins, o Ministério Público Estadual (MPE) obteve a condenação de José D. F. B. por homicídio duplamente qualificado. O réu era acusado de ter, no ano de 2013, encomendado a morte da sogra, tentativa frustrada, mas que resultou no assassinato do marido dela quando este reagiu ao ataque dos criminosos.

De acordo com a denúncia criminal, José contratou, pelo valor de R$ 10 mil, Edimilson R. dos S. e mais dois adolescentes para cometerem o assassinato de Maria Emília Silva Oliveira, sogra do mandante, com a simulação de um assalto em estabelecimento comercial de propriedade dela. A motivação do crime seria o descontentamento de José com a interferência da mãe da esposa na relação do casal.

Mas o assassinato de Maria Emília não teve êxito, porque ao perceber o perigo, ela conseguiu fugir, enquanto seu esposo, Hilário Costa França, reagiu com uso de um facão. Hilário foi dominado pelos executores, que desferiram vários golpes de faca e até pauladas contra ele, causando-lhe ferimentos que resultaram em sua morte.

De acordo com o promotor de Justiça Caleb Melo, que atuou na sessão de julgamento, o mandante foi condenado a 18 anos de reclusão pelo crime de homicídio duplamente qualificado, mediante promessa de recompensa e com o uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Para a execução, o mandante teria antecipado a quantia de R$ 500,00 e ainda chegou a fornecer aos executores uma faca e uma camiseta para que um dos adolescentes cobrisse o rosto.

Edimilson, um dos assassinos, deve ser julgado nos próximos dias, tendo em vista que o processo foi desmembrado.