Estado

Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira, 13 de outubro, o Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO) realizou uma consulta aos grevistas representados pelo Sindicato, com o objetivo de avaliar a atual conjuntura da negociação da data-base e de conhecer as opiniões e propostas dos servidores públicos para novos rumos na negociação. “Após 66 dias de greve, é normal que façamos essas consultas porque é das concentrações que vêm os direcionamentos para a nossa tomada de decisões. É a base quem decide e é nosso dever analisar o cenário e buscar todos os caminhos possíveis para garantir o direito do servidor”, contou o presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro.

Houve reuniões com votações coordenadas por representantes do Sisepe nas seguintes cidades: Palmas, Araguaína, Gurupi, Porto Nacional, Miracema, Miranorte, Pedro Afonso, Guaraí, Taguatinga, Tocantinópolis, Dianópolis, Paraíso do Tocantins, Colinas, Natividade, Augustinópolis e Araguatins.

Nas reuniões, o Sisepe explicou os efeitos das duas determinações judiciais emitidas recentemente pelo Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO). Diante desse cenário e da falta de atitude do Governo em solucionar o impasse e pagar os direitos da categoria, a maioria dos grevistas decidiu pela continuação da greve por tempo indeterminado.

Também foi aprovado o ingresso de ação judicial cobrando o pagamento da data-base 2016, haja vista que no caso dos retroativos de 2015 já existe ação judicial proposta pelo Sisepe e que está tramitando na 2ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas.

Impeachment 

Outra deliberação das reuniões desta quinta foi o ingresso de pedido de Impeachment, do Governador Marcelo Miranda. O presidente Cleiton Pinheiro propôs a medida e os grevistas aprovaram. O pedido será protocolado por Cleiton Pinheiro e também pelo servidor lotado no Ministério Público Estadual, Gustavo Menezes. 

Segundo eles, haverá um lançamento oficial da Campanha em favor do Impeachment e em seguida, os grevistas poderão ajudar colhendo assinaturas na comunidade em geral para que se construa um abaixo-assinado em apoio ao pedido de impeachment.