Educação

Foto: Divulgação

Estudantes ocuparam nesta segunda-feira, 17, o campi do Instituto Federal do Tocantins (IFTO) de Palmas. O ato é contra a PEC 241 e contra o governo do presidente Michel Temer. Os alunos, maioria do próprio IFTO, prepararam faixas e já montaram barracas. 

De acordo com informações repassadas ao Conexão Tocantins por Patrick Sousa, presidente do Diretório Central dos Estudantes do IFTO, mais de 70% dos participantes são alunos do IFTO. "A gente pretende ficar aqui o máximo de dias em que nós conseguirmos ficar. Sabemos que a instituição já pediu ou vai pedir reintegração de posse mas vamos resistir pois o que está acontecendo no País é muito maior do que uma ocupação", frisou.

Victor Muniz, diretor estadual da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) no Estado, também informou que não tem previsão de saída dos manifestantes. "É contra a lei da mordaça", resumiu. 

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/16, fixa um teto para os gastos públicos por 20 anos. A PEC que foi aprovada em primeiro turno, no dia 10, por 366 a 111 votos e duas abstenções, deve ser votada em segundo turno. 

IFTO 

O diretor do IFTO em Palmas, Octaviano Furtado, se posicionou sobre o ato dos estudantes. De acordo com ele, hoje por volta das 13 horas, foi comunicado da ocupação em dois blocos do Instituto. O diretor solicitou a desocupação. "Administrativamente solicitei a desocupação, estabelecendo um prazo de 24 horas. Findo este solicitarei a reintegração de posse", informou ao Conexão Tocantins

Octaviano informou ainda que o pedido de reintegração não significa que "este diretor concorde com os termos da PEC 241, mas visa restabelecer a oferta dos cursos em vigência", informou. 

UFT 

Estudantes da Universidade Federal do Tocantins (UFT) também realizam ato em protesto contra a PEC 241, nesta segunda-feira. 

Por: Redação

Tags: IFTO, Patrick Sousa, Ubes, Victor Muniz