Economia

Foto: Divulgação

Em busca de potencializar ações realizadas pelo Sistema Fecomércio/Sesc/Senac e Instituto Fecomércio, com foco no desenvolvimento econômico e comercial na Amazônia Legal, e na discussão de novos rumos para o crescimento desta região, acontece mais um Fórum da Amazônia Legal, que está na sua vigésima quarta edição. O evento acontece entre os dias 20 e 22 de outubro e será sediado em Rio Branco, no Acre.

O Tocantins estará representado pelo presidente da instituição, Itelvino Pisoni, pelo assessor jurídico da Fecomércio, Idemar Ferreira, além dos diretores regionais do Sesc, Marco Antonio Monteiro, e do Senac, Lunáh Brito.

O Fórum – composto por representante do Acre, Amazonas, Amapá, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Tocantins – é um evento de caráter permanente, realizado periodicamente, onde os representantes das instituições se encontram para apresentação de propostas e troca de experiências. A intenção é fomentar a economia e o comércio nos estados que compõem a Amazônia Legal.

Além disso, pretende fortalecer as entidades junto a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), promovendo uma aproximação ainda maior entre as instituições. O intuito é adequar às formas de atuação e facilitar parcerias.

Esta é a segunda vez que o Acre sedia o evento. Segundo o presidente da Fecomércio/AC, Leandro Domingos, o fórum é de suma importância para a localidade. “Com o Fórum, falamos das situações que cada estado vivencia e, com a troca de experiências, podemos aprender e aplicar o que aprendemos em outras localidades, de modo que possamos sempre melhorar”, afirma.

Já o presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, destaca as potencialidades da região. “Nós moramos em uma região extremamente rica e com muitas potencialidades, em diversos sentidos. Nos reunirmos e buscarmos melhorias para a gestão do Sistema Fecomércio, acaba trazendo não só resultados positivos para a instituição, mas para os setores de comércio, bens, serviços e turismo de cada estado, bem como para a sociedade de modo geral, que também é atendida pela entidade”, explica.