Meio Ambiente

Foto: Ney Carneiro O valor aproximado da obra é de R$ 563 mil e a previsão de entrega é de seis meses O valor aproximado da obra é de R$ 563 mil e a previsão de entrega é de seis meses

Nesta segunda-feira, 31, o presidente do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Herbert Brito (Buti), acompanhado de alguns membros da diretoria, visitou a construção do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), de Palmas. Com a obra, os animais silvestres que por motivo de atropelamentos, tráfico, queimadas, entrega voluntária, mantidos em cativeiros domésticos, resgatados ou apreendidos pelos órgãos fiscalizadores, terão em breve um local apropriado para acolhida e tratamento.

A atual gestão do Naturatins lembra que o Cetas é um empreendimento que deveria estar em funcionamento há mais de 10 anos, e que somente nesta gestão foi possível destravar os processos e dar início as obras de maneira efetiva. O empreendimento contará com um hospital veterinário, recintos específicos para cada espécie de animal e guarita. O Centro irá funcionar em uma área de 1.052m², em um terreno junto a Agrotins. O local foi cedido pelo Governo do Tocantins. O valor aproximado da obra é de R$ 563 mil e a previsão de entrega é de seis meses.

Todos os animais silvestres resgatados ou apreendidos no Estado são encaminhados para o município de Araguaína, onde está situado o único Centro de Triagem de Animais Silvestres do Tocantins. O Cetas funciona através de uma parceria entre o órgão ambiental e o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) de Araguaína. Situação que onera bastante os cofres e gera uma sobrecarga de animais em um mesmo espaço, fatores que comprometem a eficiência e a recuperação.

Durante a visita o presidente do Naturatins, Herbert Brito (Buti), comentou que o empreendimento, é mais uma obra do Governo do estado do Tocantins, que tem superado todas as dificuldades vivenciadas nos últimos tempos e mostrado que, com parcerias efetivas e determinação da gestão, é possível superar as barreiras e entregar a sociedade resultados positivos, em qualquer área do serviço público.

“Essa obra vai ser referência em agilidade, custos e qualidade, até por ser uma obra contratada diretamente pela Investco, executada e fiscalizada em parceria entre Naturatins e Secretaria de Infreaestrutura (Seinfra)”, destacou. O presidente ainda convida empresas e entidades que queiram ser parceiras do Naturatins no Cetas, a conhecerem o Projeto e ajudar na gestão e conservação do Centro.

Segundo a supervisora de Fauna do Naturatins, Grasiela Alves Pacheco, “a construção do Cetas vem ao encontro de uma necessidade emergente e reflete a preocupação do Naturatins com a fauna do estado do Tocantins”, frisou.

Cetas

Ao chegar no Cetas o animal passa pela triagem quando se  identifica a espécie, sexo e local onde foi capturado. Posteriormente, é feito o alojamento, recebem a nutrição necessária, e é observado o aparecimento de possíveis doenças. É durante esse período que a equipe do Cetas analisa o melhor destino para esses animais. Desde que não estejam na lista oficial das espécies ameaçadas de extinção, são destinados preferencialmente a zoológicos, criadouros autorizados e centros de pesquisa. 

Compensação ambiental

O investimento é resultado do Parecer Técnico nº 001/06, firmado entre o Naturatins e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O acordo tem como proposta a compensação ambiental do Consócio construtor Investco, da usina hidrelétrica (UHE), Luiz Eduardo Magalhães, inaugurada em 2001, quando foi exigido do empreendedor em conjunto com a prefeitura de Palmas que estabelecessem e promovessem a implantação de um jardim botânico e um zoológico no prazo de 24 meses.

Posteriormente o Naturatins e o Ibama informaram por meio da Nota Técnica nº 001/09, que não possuíam controle efetivo sobre a fauna silvestre apreendida no Estado, uma vez que não existiam condições físicas para o recebimento e a manutenção destes animais.

Na ocasião a Coordenadoria de Áreas Protegidas (Coarp), do Naturatins,  recomendou que fosse construído um Centro de Manejo de Animais Silvestres (Cemas), em substituição ao jardim botânico e ao zoológico. Atualmente o Centro passou a chamar-se Cetas. Pois o mesmo tem função importante na recuperação dos animais silvestres, oriundos principalmente de apreensões, contribuindo assim com a proteção da fauna do Tocantins.