Educação

Foto: Divulgação Os conteúdos trabalhados em forma de charges e quadrinhos estão entre os preferidos dos alunos da escola de Combinado Os conteúdos trabalhados em forma de charges e quadrinhos estão entre os preferidos dos alunos da escola de Combinado

A Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) propôs às Diretorias Regionais de Educação (DREs) a realização de uma intervenção pedagógica com o objetivo de buscar a melhoria do processo de aprendizagem nas escolas estaduais. Desde o mês de setembro, as DREs vêm promovendo diversas ações e os bons resultados já começam a ser observados. 

Em Arraias, as equipes pedagógicas da DRE e das unidades de ensino se uniram para desenvolver um planejamento com base na análise de resultados das provas realizadas pela Seduc: Avaliação Diagnóstica, aplicada para os alunos do ensino fundamental, e os Simulados do Enem, direcionados aos estudantes do ensino médio.  

Conforme a diretora Regional de Arraias, Leila Maria Florencio Ramos França, o realinhamento dos conteúdos nas unidades de ensino está sendo acompanhado pelos assessores de currículo da DRE in loco, o que segundo ela, tem contribuindo para o sucesso da iniciativa. “É necessário conhecer de perto a realidade de cada escola para auxiliar a equipe nessa proposta”, frisa. 

Para Leila, a medida de intervenção pedagógica adotada pela Seduc foi “acertada” e está contribuindo ainda para o planejamento do próximo ano letivo. “O foco dessa proposta é dar suporte para que o aluno possa sanar suas dificuldades e avançar no processo de aprendizagem. O realinhamento de conteúdos é a oportunidade de o aluno ampliar o aprendizado e prosseguir nos estudos com êxito”, ressalta. 

Planejamento participativo

No município de Combinado, a Escola Estadual Profª Augusta Vaz dos Santos Teixeira, buscando envolver os estudantes no realinhamento, convidou-os para participar do planejamento das aulas. E segundo a diretora da unidade escolar, Clara Pereira dos Anjos, os resultados positivos já começaram a ser alcançados. “Pensamos numa forma de motivar os alunos consultando-os como gostariam que fossem ministradas essas aulas relativas ao realinhamento. Já percebemos que estão mais motivados e se sentindo valorizados ao ver que a opinião deles foi considerada”, revela.

Dentre as diversas metodologias utilizadas para retomar os conteúdos cujo desempenho na Avaliação Diagnóstica não foi o esperado para aquele nível, a escola está realizando oficinas, aulas ao ar livre e atividades mais dinâmicas visando à melhoria da aprendizagem na unidade de ensino. 

O estudante do 9º ano, Jean Kezin Gomes da Silva, de 14 anos, aprovou a nova abordagem dos conteúdos. “Achei muito interessante essa oportunidade que escola deu para mostrarmos nossas ideias e dizer como gostaríamos que fossem as aulas. Depois desse realinhamento está sendo muito mais fácil fixar o conteúdo porque estudamos de uma forma diferente, não é só o professor que explica, nós estamos produzindo a aula juntos, pesquisando, fazendo oficinas de quadrinhos, murais e outras coisas bem legais. Assim facilita a vida do professor e a nossa também”, avalia.