Educação

Foto: Elias Oliveira Reunião com diretores sobre calendário 2017 Reunião com diretores sobre calendário 2017

O Calendário Oficial para o ano letivo de 2017 contará com vários avanços, que serão sentidos ao longo do ano, por meio do melhor rendimento de alunos e professores em sala de aula. Esta é a expectativa da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esporte (Seduc), que apresentou o calendário aos diretores das regionais de educação e unidades escolares, em reuniões na sede da Pasta, na Capital.

“O novo calendário apresenta conquistas significativas na área pedagógica, com ênfase em nosso principal objetivo, que é o fortalecimento do ensino aprendizagem”, aponta a secretária de Estado da Educação, Juventude e Esportes, professora Wanessa Sechim.

Considerada a principal conquista pelos diretores presentes às reuniões, a secretária anunciou o fim das aulas aos sábados, uma antiga reivindicação dos professores, alunos e pais. Para evitar situações como a que ocorreu em 2016, quando o ano letivo teve início após o Carnaval, sendo necessária a realização de aulas nos finais de semana, o início do ano letivo de 2017 foi antecipado para 23 de janeiro, para os alunos. Já os professores retornarão ao trabalho uma semana antes para realizarem o planejamento do ano letivo entre 16 e 20 de janeiro. “Este sempre foi um grande desejo da comunidade escolar, que agora poderemos atender”, revela a secretária.

Outra mudança significativa para 2017 é a inserção no calendário de datas fixas para duas avaliações diagnósticas, no início e no final do ano, que poderão dimensionar o nível de aprendizado dos alunos e as áreas em que serão necessários reforços. Também serão aplicados dois simulados para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Outra dificuldade dos professores era a realização do Conselho de Classe em dia letivo. Agora, o Conselho de Classe Pedagógico se reunirá para avaliar cada bimestre, sem que ocorra aula no mesmo período. O ano letivo terá encerramento em 21 de dezembro.

Estruturas curriculares

Os diretores das unidades escolares também foram informados sobre a reformulação das estruturas curriculares, com o objetivo de melhorar o ensino aprendizagem. A partir de 2017, os alunos do ensino fundamental terão aulas de redação desde o primeiro ano. A disciplina de Inglês também será inserida nos anos iniciais do ensino fundamental, enquanto os alunos do nono ano terão aulas de química e física, visando à entrada no ensino médio.

Objetivando a preparação para o Enem, os alunos do terceiro ano do Ensino Médio terão mais aulas de química e física, bem como a inclusão da disciplina de conhecimentos gerais e atualidades.

Essas alterações serão possíveis com o aumento do número de aulas. Hoje, são 20 aulas semanais, com duração de 60 minutos cada. A partir do próximo ano, serão 25 aulas semanais de 50 minutos.

Reposição

Em função da recente greve de profissionais da educação, parte das unidades escolares não seguirá o calendário oficial. A Seduc deu prazo até esta sexta, 25, para que as escolas apresentem suas propostas de reposição, visto a diversidades de situações, já que 127 escolas pararam – parcial ou integralmente – e 302 mantiveram suas atividades.

“Mais de 100 mil alunos encerrarão o ano letivo 2016 no dia 17 de dezembro e terão o início do ano letivo 2017 em 23 de janeiro. Para as escolas que vivenciaram a greve, estamos dando total apoio para que o calendário de reposição seja construído coletivamente, com a participação dos professores, alunos e pais”, reitera a professora Wanessa, lembrando que as Diretorias Regionais de Educação (DREs) farão o acompanhamento destas unidades, para garantir o cumprimento dos 200 dias letivos. “Nossa meta é chegar a um calendário que atenda a todas as demandas”, completa a secretária.