Economia

Foto: Divulgação O cartão de crédito continua no topo do tipo de dívida mais recorrente, sendo a opção de 73,2% dos entrevistados O cartão de crédito continua no topo do tipo de dívida mais recorrente, sendo a opção de 73,2% dos entrevistados

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) em parceria com a Fecomércio Tocantins, 68,1% dos entrevistados se consideram endividados em Palmas. Este é o menor resultado desde junho, quando 66,5% dos consumidores estavam nesta situação.

“Percebemos que o número de consumidores que assumiram compromissos a prazo diminuiu e, com isso, o consumo das famílias palmenses também apresentou queda”, explica o presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni. 

Apesar do recuo de 2,2% em comparação a outubro (quando foi registrado 70,3% de endividados), a porcentagem de famílias que não conseguirão quitar as contas atrasadas permanece idêntico ao mês passado: 0,3%. Entre os endividados, 15,4% afirmaram que as contas estão vencidas e o tempo médio desse atraso é de 48,5 dias. 

A Peic de novembro revela que a parcela da renda comprometida com dívidas das famílias palmenses é de 33% (em média). Além de comprometer boa parte dos recursos, o tempo desse comprometimento é longo: 48,5% das famílias disseram que o período dessas obrigações ultrapassa um ano. A média para Palmas é de 8,1 meses.

O cartão de crédito continua no topo do tipo de dívida mais recorrente, sendo a opção de 73,2% dos entrevistados. Em seguida, vem os carnês e os financiamentos de veículos, com 28,7% e 25,2%.

Foram entrevistadas 500 famílias palmenses divididas em duas categorias: as que recebem até 10 salários mínimos/mês e as que ganham mais de 10 salários mínimos. Os números aqui destacados são do índice geral, ou seja, das duas categorias pesquisadas. A Peic de novembro foi aplicada nos últimos 10 dias de outubro.