Opinião

O ano começou velho: mortes, assassinatos, massacres. As pessoas começaram o ano como sempre foram e como sempre serão, prometendo, um dia, mudar. 2017 já é igual a 2016, como são iguais todos os anos, no calendário e dentro de cada um.

As promessas de parar de fumar, de beber menos, de maior tolerância às coisas deste mundo não resistiram à noite de réveillon e tudo se foi no ápice do estouro da garrafa de champanhe, com toda ânsia transbordando bem na palma da nossa mão. Fazemos listas e listas do que não faremos no ano novo, porque somos afeitos ao que somos e quase sempre nos tornamos tudo aquilo que nunca quisemos ser. Somos mesmo seres de vazio e adoramos falso preenchimento. Assim sempre fomos, desde depois de ontem. E assim seremos, na eterna hereditariedade das gerações.

Prostrados, como nosso País de joelhos, assistimos, desde o dia primeiro, o despetalar do calendário, o dia a dia caindo e sumindo pelo ralo. O que era ruim, ficou pior, como uma involução diária e precária em marcha batida dessa pobre sociedade brasileira. Em tempo de Temers & Trumps protagonizando os noticiários e ocupando as páginas da história, registramos a falta que faz os Mandelas com seus pensamentos em mandalas, o José entre outros tantos Magos, o Ariano e sua Suna compadecida. Escolhemos nossos líderes e entregamos a eles o comando de nossa vida em sociedade. É inevitável que o mundo tome a forma do pensamento deles, da personalidade deles, de suas ideias. É um tempo de tristeza, das contas diárias vencendo sobre à mesa, da incerteza batendo à porta vizinha e à nossa. É um tempo pesado demais e parece tolo simplesmente acreditar.

Está faltando ao mundo presente a generosidade universal, o desejo natural de mudança, a elevação do pensamento humano, da força motivadora do sonhar e ter a alma cheia de fé e esperança. Já não temos mais motivação para protestar, tudo foi vencido por homens decaídos. Está faltando ao tempo presente luz e os flashes são apenas para registrar o último assassinato de nossas esperanças.

Digito este texto com os dedos em chumbo pesando sobre o teclado porque tenho nada para acrescentar, nada que valha a pena dizer. Toda dor é solitária e nossas alegrias são feitas de pequenas migalhas. Escrevo este texto como uma oração silenciosa de quem pede e clama por mudança. Não a mudança da rua, essa que acaba na primeira esquina. Mas na mudança que acontece, nasce e cresce, dentro de cada um, no mais fundo da alma, e que é capaz de mudar o mundo à sua volta. Essa é a revolução que me interessa, o se elevar em outro patamar.

Assim nossa nave não vai, fica, mais empobrecida, corrompida, desnutrida e sem esperança. Nem bateremos mais nas panelas - cada vez mais vazias - bateremos nos tambores, pois, daqui a pouco, já é carnaval.

*Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor 

Por: Petrônio Souza Gonçalves

Tags: Articulistas, Petrônio Souza Gonçalves