Saúde

Foto: Regiane Rocha

Cerca de 400 meninos entre 12 e 13 anos já se vacinaram contra o HPV, mas a expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é de vacinar 4.532 meninos até o final de 2017. A vacina já está disponível em todos os Centros de Saúde Comunitários (CSC) de Palmas, desde os primeiros dias de janeiro deste ano.

Na última sexta-feira, 20, o autônomo Valdimiro Silva levou seu filho Yuri, de 13 anos, para vacinar no CSC da 508 Norte. “Desde que começou a campanha para vacinar meninas, sempre me questionei porque não vacinar também os meninos. Por isso, trouxe ele logo assim que liberaram a vacinação. É muito importante estar protegido, ainda mais de doenças como essa”, disse.

A enfermeira da Central de Vacina da Semus, Juliana Araújo, lembra que o esquema vacinal consiste em duas doses, com intervalo de seis meses. “É importante estar atento às datas e garantir a proteção necessária para o adolescente”, diz Juliana, reforçando que a faixa etária será ampliada gradualmente até 2020, quando a vacina estará disponível para meninos de 9 a 13 anos.

De acordo com o Ministério da Saúde, a inclusão de meninos no grupo alvo da vacinação amplia o público contemplado pelas ações de prevenção contra os diversos tipos de cânceres causados pelo HPV, antes mesmo de iniciarem a vida sexual, quando a vacina é considerada mais eficaz.

Saiba mais

O HPV não tem cura, pode ser controlado, mas ainda não há cura para a doença. Seus principais sintomas são: verrugas não dolorosas (isoladas ou agrupadas) nos órgãos genitais (pênis, ânus, vagina, vulva), boca e garganta; irritação/coceira com lesões. As manifestações através de verrugas podem levar dias ou anos e são mais comuns em pessoas com imunidade baixa e gestantes.

Simultaneamente à vacina contra o HPV, também está sendo aplicada a vacina contra Meningite C, em meninos e meninas de 12 a 13 anos.  A meningite C é o subtipo mais frequente da doença, que é considerada grave e de rápida evolução.