Educação

Foto: Elias Oliveira Professor Bonfim explica sobre o processo de polinização do milho Professor Bonfim explica sobre o processo de polinização do milho

Na sala de aula, o professor tem autonomia para escolher a melhor forma de repassar os conteúdos. No Colégio Estadual São José, em Palmas/TO, o professor de Química e Biologia, Bonfim dos Reis Ferreira dos Santos, transformou um espaço que estava sendo ocupado por entulhos e matos, em um laboratório e está cultivando milho.

O Projeto Experimental de Milho teve início em novembro do ano passado e está sendo desenvolvido com os alunos da 3ª série do ensino médio. Para transformar o espaço ocioso em laboratório, a escola contou com importantes parcerias. Entre elas, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural de Palmas (Seder), que auxiliou na preparação do terreno e na análise de solo.

A tarefa com os alunos começou com a preparação e coleta do solo. “Essa etapa foi importante para a aprendizagem, porque os jovens perceberam que há elementos como o alumínio que em excesso interfere na qualidade da produção”, contou Bonfim.

O professor explicou que optou pelo cultivo do milho, pelo seu histórico, por sua composição química e valor nutritivo, sendo um dos mais importantes cereais cultivados no mundo.

Em seguida, o professor foi em busca de outras parcerias, como o Atacadão da Ração, que forneceu o calcário, produto responsável pelo equilíbrio do PH do solo e a Universidade Federal do Tocantins (UFT), que forneceu sementes.

Além do estudo dos solos, os alunos estudaram sobre o plantio, espécies mais produtivas, importância de se observar o espaçamento correto, a forma de semear para se obter uma melhor produção,  incidência dos raios solares nas plantas, adubação e controle de pragas.

Para promover a participação da maioria dos alunos no processo experimental, o professor Bonfim dividiu a área trabalhada em três partes, sendo uma para cada turma, com a estimativa que cada uma plantaria 100 covas. Para desenvolver o projeto está sendo utilizada uma área de 1.630 m².

Na etapa atual, os alunos estão observando como se dá a polinização do milho, a influência do vento nesse sistema, e como acontece a formação dos grãos.

Recursos

Para realizar o projeto, a equipe de professores foi em busca de parcerias, para aquisição das sementes, para empréstimos de equipamentos. A escola entrou com o espaço, com a compra dos adubos e com a realização da capina.

Aprendizagens

Para o professor Bonfim essas aulas práticas auxiliam os alunos a terem mais contato com a terra e descobrir suas habilidades. “No final de cada etapa do processo de observação os alunos fazem relatórios e, no final do semestre letivo, os estudantes irão escrever um artigo científico sobre o que aprenderam e suas avaliações”, frisou. Os alunos irão compartilhar as experiências com a comunidade escolar, no próximo dia 11.

O diretor José Antônio Gama ressaltou a oportunidade que a escola está dando para se testar as teorias contidas nos livros didáticos. “Percebemos que aumenta o interesse dos alunos, melhora a aprendizagem e ainda estamos utilizando um espaço que estava ocioso, com muito mato, servindo apenas para a proliferação de mosquitos”.

O estudante Yangrey Rodrigues, 17 anos, aprendeu a gostar de lavoura com a sua família, que cultiva hortas. Ele foi aprovado no curso de Agronomia pela Fundação Unitins. “Já tinha interesse pelo assunto e, com essa prática, nos ajudou a ter mais conhecimento”.

Tiago Elias Pinheiro, 18 anos, disse que também gostaria de cursar Agronomia. “Gostamos mais de estudar com essas aulas práticas, entendemos melhor os assuntos”.

História

O milho é um grão presente em muitos produtos alimentícios do cardápio universal. Os primeiros registros históricos sobre o cultivo do milho foram feitos em ilhas próximas ao litoral mexicano. Na América do Sul, há evidências de grãos encontrados há 4 mil anos. No Brasil, o milho era cultivado pelas populações indígenas antes da colonização.

Produtos

Com o milho é possível fazer pamonhas, canjicas, curaus, bolos, angus, xeréns, e se aprecia o milho cozido ou assado. Na indústria, derivados de milho podem ser utilizados em 150 produtos diferentes.