Palmas

Foto: Ronaldo Mitt Integrante do MPE encontra cadeira quebrada no ônibus Integrante do MPE encontra cadeira quebrada no ônibus

Os veículos do transporte público de Palmas são conduzidos com segurança? Eles são novos e confortáveis? Qual o tempo de espera do veículo? Qual linha você considera mais problemática? Questionamentos como estes foram levantados na manhã desta sexta-feira, 3, para usuários dos transporte público em estações de ônibus da Capital. Realizada pela Defensoria Pública do Estado do Tocantins, Ministério Público Estadual, Procon Tocantins e Observatório Social, a ação é identificada como “Operação Transporte Público”.

Cerca de 20 representantes de tais instituições se revezaram em atendimento nas estações Xambioá, Apinajé, Krahô e Javaé para entrevista com os usuários do transporte e também para uma avaliação das condições da estrutura dos pontos de ônibus e veículos. A fiscalização foi feita a partir do a partir do acompanhamento das linhas, cumprimento dos horários e itinerários, atendimento às pessoas de necessidades especiais, utilização dos equipamentos de segurança e sinalização, manutenção e conservação da frota, condições das estações e pontos de ônibus e avaliação do serviço pela ótica dos clientes, com base nos eixos Organização da Empresa, Segurança, Conforto e Mobilidade.

Fiscalização

Os dados coletados serão expostos em relatório único, expondo as principais necessidades dos usuários e as adequações necessárias. A previsão é de que o relatório seja lançado na próxima segunda-feira, 6, e será encaminhado às instituições responsáveis para providências. De acordo com o analista jurídico do Nudecon – Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor, Ádamo Póvoa, o objetivo é fiscalizar e analisar os processos que constituem o serviço de transporte público em Palmas, a fim de garantir o cumprimento das normas de qualidade, essenciabilidade, continuidade, segurança e modicidade das tarifas.

Operação

A “Operação Transporte Público” foi provocada em razão do reajuste do valor da tarifa, previsto para o mês de junho no valor de R$ 3,50. Em reuniões da Câmara Temática do Conselho Municipal de Mobilidade e Transporte foram definidas algumas adequações pendentes para que o reajuste fosse autorizado, como a quantidade de ônibus em circulação, estrutura dos veículos, sinalização, lotação de passageiros e etc. Dentre tais adequações, por exemplo, foi definido em reunião ainda no mês de janeiro que é necessária a aquisição de 20 novos ônibus, porém, as reclamações frequentes dos usuários expõem que as aquisições não foram feitas. Assim, a fiscalização foi necessária para pontuar presencialmente a informação.