Estado

Nesta próxima quarta-feira 8 de Março, uma Greve/Parada Internacional de Mulheres será puxada por ativistas de mais de 40 países, e propõe um dia de paralisações e mobilizações na data. As ameaças aos direitos previdenciários das mulheres, a luta contra o desemprego, além de pautas históricas como o fim da violência de gênero também fazem parte da mobilização.

Alinhado às atividades que acontecem alusivas ao 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, no Brasil e no mundo, e seguindo também a agenda da Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ), o Sindicato de Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins (SINDJOR-TO) lança a campanha #8MSindjorTO, que consiste num momento de reflexão entre as mulheres jornalistas sobre as dificuldades enfrentadas no mercado de trabalho, a violência e a igualdade de gênero.

“O março não é um mês de homenagens, pelo contrário, é simbólico de luta por direitos das mulheres. E essa pauta deve estar em evidência o ano todo, devido aos números de violência contra a mulher alarmantes que temos no Brasil, por exemplo”, destaca a presidente do Sindjor-TO, Alessandra Bacelar.

Comissão de Mulheres da Fenaj

A Fenaj está se organizando para fazer a instalação da Comissão de Mulheres da Fenaj no dia 8 de março. A comissão é formada por representantes de 16 sindicatos de jornalistas e nasce com a missão de contribuir para o debate das questões de gênero no movimento sindical dos jornalistas e para a reflexão sobre Jornalismo e gênero.

A representante do Tocantins é a jornalista e diretora administrativa do Sindjor-TO, Rose Dayanne Santana Nogueira, que tem atuação na área, tendo participado de movimentos sociais e feministas, de cursos e formações sobre as questões de diversidade sexual e gênero, e atualmente dedica-se à linha de pesquisa de Gênero e Comunicação, dentro do Mestrado em Comunicação e Sociedade da Universidade federal do Tocantins (UFT).

Confira a programação das atividades organizadas no Tocantins no link: http://www.sindjorto.com.br/site/noticias-view.php?id=379