Saúde

Foto: Divulgação

Sem acordo com o Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde Privados do Tocantins (Sindessto), o Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Tocantins (Sindifato) irá recorrer ao Ministério do Trabalho para negociar a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2016-2017 do setor hospitalar e de laboratórios. “O Sindessto insistiu em aumentar o número de 13 para 15 plantões e a nossa categoria não aceita essa ampliação de jornada de trabalho”, ressalta o presidente do Sindifato, Pedro Henrique Goulart Machado Rocha.

Segundo Pedro Henrique, ao todo o Tocantins possui aproximadamente 150 hospitais e estabelecimentos de saúde que empregam cerca de 180 farmacêuticos.

As negociações entre o Sindifato e o representante patronal se estendem desde o dia 31 de janeiro, quando a entidade protocolou a contra-proposta para negociações da CCT. Entre as reivindicações do Sindifato estão ticket alimentação de R$ 16,38 e jornada de trabalho de 36 horas semanais (180 horas por mês).

Em novembro, o Sindifato havia discutido com a categoria solicitação de reajuste de 9,16% no salário, que ficaria em R$ 3.560,00. “Não aceitaremos que queiram aumentar a nossa jornada para além do que está previsto na legislação”, destacou.

O presidente do Sindifato espera que, com a mediação do Ministério do Trabalho, o impasse seja solucionado.