Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual José Roberto Forzani (PT) se posicionou durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins sobre a forma como foi abordado durante as investigações da Operação Rota 26, da Polícia Federal na manhã da última segunda-feira, 3. O parlamentar afirma ter sido vítima de abuso e autoritarismo. “Sou residente em Palmas, não tenho nem passaporte, moro na minha casa financiada pela Caixa há 12 anos e tenho tranquilidade de não ter cometido nenhum ato de desonestidade. Atendi a polícia com toda calma, mas foi desrespeitosa uma emissora de televisão (TV Anhanguera) se posicionar na porta da minha casa da forma que aconteceu”, explica.

O petista garante que essa abordagem foi feita para expor sua imagem, e questiona que aproximadamente vinte pessoas foram intimadas para fazer esclarecimento, mas nenhum teve o nome divulgado ou exposto na TV.”É para condenar a gente, não é para fazer esclarecimentos, é para que haja condenação por parte do público, como se eu tivesse feito algum ato de desonestidade, e isso eu nunca fiz”, afirma.

O parlamentar conta que o período como superintendente do Incra, foi o que mais desapropriou terras, assentou famílias, construiu estradas, casas e pontes. “Faziam parte da nossa gestão um planejamento participativo das ações do Incra. Reunimos em determinadas regiões com os representantes dos assentamentos, e eles escolhiam quais obras eram prioritárias para aqueles grupos de assentamentos. A partir disso, arrumando os recursos, essas obras eram executadas de duas maneiras: através de licitação e convênios com as prefeituras”, pontuou.

O parlamentar garante que todos os processos de sua gestão, dos quais foram citados, já foram aprovados e encerrados. “E em todos os processos que o Incra entendeu que tinha problema, as empreiteiras ou prefeituras foram notificadas para recolhimento, caso precisassem fazer restituição”, garantiu.

Zé Roberto finaliza dizendo que a ação dos órgãos de controles é importante para a democracia, mas é inaceitável o abuso de poder. “Isso não me desanima, pelo contrário, me anima a ser um deputado ainda mais atuante, zeloso pelo bem púbico e respeitado por todos do meu convívio. Agradeço a solidariedade dos companheiros, movimentos sociais, militância e todos que vieram ao meu gabinete para me apoiar. Meu muito obrigado e fora Temer”.