Polí­tica

Foto: Antônio Gonçalves

A capacidade de encontrar soluções para a reconstrução de um Estado com base na transparência e responsabilidade com a coisa pública foi a discussão levantada pelo deputado Paulo Mourão e membros presentes da Comissão Temporária Especial, na primeira reunião de trabalho ocorrida na manhã desta sexta-feira, dia 7, no Plenarinho da Assembleia Legislativa.

A comissão irá discutir com diversos segmentos atuantes da sociedade um novo ordenamento econômico, administrativo, social e político do Estado do Tocantins.  “Precisamos dar um novo start ao Estado do Tocantins. Este é um momento de reavaliação e de reorganização”, destacou Paulo Mourão, que é presidente da comissão. O parlamentar lembrou das riquezas tocantinenses e do compromisso que deve ser inerente aos mais diversos setores que atuam na sociedade para garantir o melhor para toda a população.

Para Mourão “nós não podemos esperar o Tocantins morrer para reordená-lo, é preciso fazer isso enquanto ele está respirando. É um momento muito importante para fazer isso no Estado e eu tenho uma simpatia por as propostas aqui apresentadas hoje”, destacou.

Entre as propostas está a grande potencialidade do Estado enquanto fronteira agrícola e a capacidade de unir forças para encontrar as soluções necessárias para garantir o pleno desenvolvimento do Tocantins. Outro importante ponto é a importância de buscar uma relação entre os trabalhos da Comissão no que há de mais moderno no mundo em desenvolvimento.

Entre os principais desafios do Estado foi ressaltada a necessidade de aumentar a renda e, por conseguinte, o Produto Interno Bruto (PIB), bem como reduzir as desigualdades sociais e desenvolver novas tecnologias.

União

Para garantir que os trabalhos da Comissão Especial atendam às expectativas de garantir um Estado eficiente no campo econômico, administrativo, social e político, Paulo Mourão ressaltou a importância de “abrir a participação plural dos setores”.

“Um fator importante é que a gente fale aos presidentes de Federações e outros órgãos e entidades parceiras que destaquem seus técnicos para contribuir nos trabalhos de cada Comissão Temática”, ponderou o deputado ao registrar que o projeto não pode fracassar.

“Para que tenhamos êxito é preciso que construamos um projeto bem delineado. Uma participação plural com pessoas bem mobilizadas na defesa desse projeto e ainda que tenhamos o compromisso para obter os resultados. Eu tenho a plena certeza que com essa organização, se acertarmos a organização inicial desse projeto, isso virará um compromisso de Estado e não de governo, e aqui vai ser o marco inicial para esse novo momento”, assinalou.

Trabalhos

Ao fim dos trabalhos ficou definido que a comissão volta a se reunir dia 18 de abril, às 9 horas, para apresentação do cronograma de trabalho e calendário de reuniões, que foi aprovada pelos deputados Alan Barbiero (PSB) e Solange Duailibe (PR), presentes na reunião.

Além da próxima data, foi deliberado que as reuniões acontecerão sempre às terças-feiras, às 9 horas, e no dia 25 de abril a Comissão será instalada com a presença de federações, associações, universidades, órgãos e demais entidades que possam ter interesse em contribuir.

Paulo Mourão lembrou ainda que a Comissão deve realizar reuniões externas em polos do Estado, mas elas devem ocorrer somente depois de a Comissão fazer a discussão não só do ordenamento temático, mas também do cronograma de trabalho.