Palmas

Foto: Divulgação Segundo Lúcio Campelo, o prefeito gosta de cobrar, mas não gosta de pagar Segundo Lúcio Campelo, o prefeito gosta de cobrar, mas não gosta de pagar

Com uma dívida de quase R$ 10 milhões referentes aos serviços de monitoramento no trânsito de Palmas correspondente a março de 2016 até agora, abril de 2017, a empresa Perkons S/A comunicou à Prefeitura de Palmas a interrupção dos seus serviços, regidos pelos contratos 089/2015, 329/2015 e 377/2015.

O assunto foi abordado pelo vereador Lúcio Campelo (PR) na manhã desta terça-feira, 18, uma vez que a empresa enviou expediente para a Prefeitura de Palmas informando seu posicionamento, no último dia 7. 

O valor mensal a ser pago à empresa gira em torno de 830 mil reais. O vereador lembrou que, de acordo com o Portal da Transparência, a Prefeitura arrecadou em 2016 quase 7 milhões em multa, cerca de R$ 583 mil mensais. "O Prefeito gosta de cobrar, mas não gosta de pagar”, comentou o vereador que questionou o discurso da gestão em defesa do referido contrato. ‟Se é prioridade para essa gestão salvar vidas como é que atrasa o pagamento? Que prioridade é essa? Porque esse é o discurso de quem faz defesa aqui, é o discurso do prefeito”, criticou Lúcio completando: “A empresa está entrando na justiça para receber aquilo que eu questionei lá atrás dizendo que era um valor excessivo. E por que eu questionei? Porque eu sabia que o município iria chegar ao ponto que não teria condições de pagar. Porque não fez uma coisa dentro da realidade do nosso município? Isso demonstra claramente que o prefeito Carlos Amastha, na condição de prefeito, não tem esse compromisso de salvar vidas”, concluiu Lúcio Campelo.