Saúde

Foto: Valdo França

O Dia Nacional de Combate da Meningite, lembrado na próxima segunda-feira, 24, visa alertar a sociedade sobre os sinais e sintomas da meningite, orientar quanto à procura imediata do serviço de saúde, quando há a suspeita da doença, e mobilizar profissionais de saúde quanto ao monitoramento da situação epidemiológica das meningites no Estado.

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio da área de Assessoramento das Meningites, vem intensificando as ações de combate a doença, orientando a população quanto aos sinais e sintomas. “No Tocantins, não identificamos nenhum surto nos últimos cinco anos, no entanto existem casos isolados em algumas regiões do Estado. No período de inverno, as incidências maiores são as meningites bacterianas e no verão as meningites virais”, informou a assessora técnica da Área da Meningite, Aurystela Dhamblea, acrescentando que no ano passado foram notificados 187 casos e confirmados 68. Em 2017, foram 54 casos notificados e 12 confirmados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que em decorrência da severidade da doença, aproximadamente 5 a 10% das pessoas que contraem a doença meningocócica e recebem tratamento antibiótico adequado, evoluem a óbito. Sem tratamento, a taxa de mortalidade atinge 70 a 90% dos casos.

Meningite

A meningite é uma doença que consiste na inflamação das meninges, membranas que envolvem o encéfalo e a medula espinhal. Pode ser causada, principalmente por vírus ou bactérias. O quadro das meningites virais é mais leve e seus sintomas se assemelham aos da gripe e resfriado. Entretanto, a bacteriana é causada principalmente pelos meningococos, pneumococos ou hemófilos – é altamente contagiosa e geralmente grave, sendo a doença meningocócica a mais séria. Quando causada pela Neisseriameningitidis, pode causar inflamação nas meninges, infecção generalizada (meningococcemia) e requer bastante cuidado pela severidade de alguns casos que podem evoluir a óbito ou a danos no cérebro mais grave deixando sequelas.

No Brasil, a doença meningocócica é endêmica, com ocorrência de surtos esporádicos. O meningococo é a principal causa de meningite bacteriana no país. Os coeficientes de incidência têm se mantido estáveis nos últimos anos, com aproximadamente 1,5 a 2,0 casos para cada 100.000 habitantes. A doença acomete indivíduos de todas as faixas etárias, porém aproximadamente 40 a 50% dos casos notificados ocorrem em crianças menores de 5 anos de idade.

Vacina

Em meados de 2010, devido ao aumento de circulação do sorogrupo C e a alta incidência da doença observada em crianças, foi introduzida a vacina meningocócica conjugada contra o grupo C no Calendário de Vacinação da Criança.

“A vacina Meningocócia C está disponível no Calendário Básico de Vacinação da Criança do Programa Nacional de Imunização. A imunização primária são duas doses, aos 3 e 5 meses de vida, e o reforço de 12 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias. Para 2017, a Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunização passa a disponibilizar a vacina meningocócica C conjugada para adolescentes de 12 a 13 anos” informou a informou a assessora técnica da meningite, Aurystela Dhamblea.