Polí­tica

Foto: Divulgação

Com a presença de matérias de origem do Executivo Municipal de majoração de taxas na sessão extraordinária dessa quarta-feira, 26, na Câmara de Palmas, o vereador Lúcio Campelo (PR) foi mais uma vez contra projetos que oneram o bolso do contribuinte palmense.

Lúcio votou contra o aumento de 208,83% na taxa de coleta de lixo; a diminuição do desconto de 20% para 10% nos pagamentos realizados à vista do IPTU da Capital e contra o aumento de 42% na taxa de iluminação pública de Palmas.

O Projeto de Lei que aumentava a taxa de coleta de lixo foi rejeitado, sendo retirado definitivamente de pauta. Já o PL que dispõe sobre o aumento na taxa de iluminação pública foi aprovado. E o Projeto que propõe a diminuição de desconto para pagamento do IPTU recebeu emenda no segundo turno de votação, voltando para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação.

Conforme o vereador Lúcio Campelo, seu posicionamento é definido observando panoramicamente a realidade dos moradores de Palmas, inclusive daqueles que encontram-se fora do centro. ‟Existem pessoas que passam fome hoje em Palmas, temos que avaliar estas matérias não como uma guerra de braço entre oposição e situação, mas sim, em como sua efetivação irá impactar a população no seu dia a dia. O Município tem uma inversão de prioridades, gasta-se muito com shows, tendas, banners, e não se tem a sensibilidade de observar que a prioridade é o cidadão e sua família. Não dá para transferir para o povo essa conta alta paga pelo Município em áreas secundárias, uma vez que objetiva-se arrecadar e não existe demonstração de sensibilidade e planejamento por parte do Paço”, observou o Vereador.

Nesta mesma sessão, foi aprovada a Medida Provisória que dispõe sobre a reestruturação da carreira de Procurador Municipal, o assunto foi pautado para a sessão anterior, não tendo quórum para votação. Lúcio foi contra a postura do governo municipal e a propositura da MP naqueles termos. Para o Vereador, o que houve foi uma falta de respeito com pais e mães de famílias que terão alterados bruscamente seus planejamentos financeiros familiares, sem que suas carreiras de 20 anos dedicados a Prefeitura pesassem de forma positiva para a decisão sobre a matéria.