Geral

Foto: Divulgação

Movidos pela missão de ajudar, o Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins, lança nesta próxima sexta-feira, 12, às 08 horas, no auditório do Colégio Esportivo Militar do Corpo de Bombeiros Professora Margarida Lemos (CEMIL) a campanha Anda Mariana. O evento será realizado em comemoração ao dia das mães e tem como objetivo sensibilizar, militares e comunidade em geral, a abraçar a causa de uma mãe que luta pela recuperação de sua filha, a pequena Mariana, que sofre de paralisia cerebral.

Com apenas dois anos filha do bombeiro militar sargento Manoel Pereira da Silva, Mariana, nasceu prematura com 28 semanas e pesando apenas 930 gramas. Durante a gravidez a mãe, Raimunda Pereira, sofreu uma grave infecção, o que fez com que o hemisfério cerebral esquerdo da criança ficasse comprometido. Em função da lesão ela sofre de atrasos na fala e no desenvolvimento motor, o que impede que ela não tenha coordenação motora para se equilibrar e andar sozinha.

“Nós descobrimos no sul do país um método chamado Cuevas Medek Exercises (CME), que nos traz uma esperança e chance da Mariana andar, mas o tratamento é caro, uma média de 50 mil por ano e não temos esse dinheiro. Por enquanto contamos com a ajuda e colaboração de amigos, familiares pessoas que apoiam a causa. Agradecemos ao Corpo de Bombeiros por abraçar essa campanha”, destacou o sargento.

“A Mariana é uma criança esperta e muito inteligente, é uma corrida contra o tempo por isso não podemos perder a oportunidade de ajudar”, enfatizou o comandante geral dos bombeiros coronel Dodsley Yuri Tenório Vargas.

Ajude Mariana a Andar

Para ajudar, a família conta com doações que podem ser feitas por meio da conta corrente 90234-9 agência 1886-4 Banco do Brasil em nome da mãe Raimunda Ribeiro Pereira.

Método

O Método Cuevas é uma abordagem fisioterapêutica utilizada para crianças que possuem alteração no desenvolvimento motor causado por síndrome não degenerativa que afeta o Sistema Nervoso Central.

O princípio fundamental do CME é baseado no fato de que crianças que possuem comprometimento no seu desenvolvimento precisam reforçar seu potencial de recuperação natural.

Com os estímulos o Sistema Nervoso Central continua o processo de desenvolvimento mesmo após a seqüela ter se instalado. A terapia pode ser aplicada a crianças a partir de três meses de vida até que elas atinjam o controle da marcha independente.