Cultura

Foto: Divulgação

Uma amostra das variantes do coco. Essa é a proposta do Sonora Brasil 2017 que o Sesc realiza em Palmas e em Gurupi. Na Capital, as apresentações serão: Samba de Pareia (SE), dia 10 de junho, às 20h; Coco de Tebei (PE), dia 11, às 18h; Coco de Zambe (RN), dia 13, às 20h; e Coco do Iguape (CE), no dia 14, às 20 horas. 

As apresentações acontecerão no Teatro Sesc Palmas (Centro de Atividades da 502 Norte). A Entrada terá os valores de R$ 6,00 para usuário e de R$ 3,00 para comerciário, estudante e idoso. 

A Pisada dos Cocos apresenta as variantes dessa expressão lítero-cênico-musical típica do nordeste brasileiro. Coco de roda, samba de coco, coco de zambê, coco de pareia, coco furado, coco de embolada. As variantes que justificam a denominação “cocos” são muitas. O Sonora Brasil 2017 apresentará dois grupos que praticam cocos do litoral e dois do interior. O coco é uma prática coletiva encontrada em áreas urbanas e rural, onde a dança e a música, integradas, estão presentes nos terreiros, nas festas populares e em ritos religiosos. Nele, cantadores e dançadores são acompanhados alternadamente por instrumentos de percussão, por palmas ou pela batida dos pés, marcadoras do andamento, na simulação da pisada que prepara o chão batido.

Os participantes do Na pisada dos cocos são pessoas de cidades do interior do Brasil, que se expressam através do canto e da dança. As imagens mostram a espontaneidade dos integrantes desses grupos, além de destacar o colorido e o estampado dos tecidos das roupas típicas.

Mini Mostra Sonora Gurupi

Já no dia 11 de junho, às 19h30 será a vez da Mini Mostra Sonora Brasil em Gurupi, com o Samba de Pareia (SE), e o Coco de Tebei (PE), será no dia 26 de julho, também às 19h30, ambas acontecerão no auditório do Centro de Atividades de Gurupi (setor Engº Waldir Lins). Na mini mostra gurupiense a entrada será gratuita.

Sonora Brasil Sesc

O Sonora Brasil Sesc tem como objetivo difundir expressões musicais identificadas com o desenvolvimento histórico da música brasileira. Busca difundir o trabalho de artistas que se dedicam à construção de uma obra não comercial. A formação de plateia é outro objetivo do projeto, por meio do contato do público com a qualidade e a diversidade musical, estimulando o olhar crítico sobre a produção e os mecanismos de difusão musical no país.