Polí­tica

Foto: Koró Rocha Discussão foi iniciada por Zé Roberto Discussão foi iniciada por Zé Roberto

Os pedidos de autorização de empréstimo enviados pelo Governo do Estado continuam a causar divergências na Assembleia Legislativa. Na sessão vespertina dessa quarta-feira, 21, o debate foi provocado pelo parlamentar Zé Roberto (PT), ao comentar a prestação de contas realizada durante a manhã no Legislativo por secretários de Estado.

Para o deputado, está correta a decisão tomada pelo presidente da Casa, deputado Mauro Carlesse (PHS), de não iniciar a tramitação de pedido de financiamento de R$ 450 milhões, um direito regimental do presidente.

Zé Roberto defendeu que essa é a oportunidade para a Assembleia debater as prioridades do Estado, e só então avaliar a pertinência da destinação dos recursos. Ele mencionou ainda que o jogo político de adversários, por meio da imprensa, tentaria constranger a revisão do projeto, mas que a bancada do PT vai decidir na próxima semana se fecha ou não questão sobre o assunto.

Líder do Governo, a deputada Valderez Castelo Branco (PP) fez um apelo aos demais parlamentares para que convençam o presidente da Casa a pôr o projeto em tramitação. Valderez ressaltou que o Estado tem condições de arcar com o compromisso, pois, como lembrou, “as instituições financeiras não emprestam dinheiro a quem não tem condições de pagar”.

Para Bonifácio, “é preciso desarmar os espíritos e fazer um pacto com vistas a aprovar os empréstimos para as obras prioritárias”. Contudo, ao manifestar sua preferência pelas áreas de educação e saúde públicas, provocou nova divergência com os defensores das rodovias.

Foi então que parlamentares favoráveis à destinação do empréstimo para recuperação de rodovias reagiram. O deputado Osires Damaso (PSC) defendeu a duplicação da rodovia que liga Palmas a Paraíso, e Toinho Andrade, por sua vez, a duplicação da estrada que liga Palmas a Porto Nacional, em razão do alto fluxo das vias e sua importância econômica para o Tocantins.

A pedido da deputada Amália Santana (PT), a discussão do assunto foi adiada para “a hora certa”.  (AL/TO)