Educação

Foto: Divulgação

A conscientização dos estudantes quanto à preservação ambiental é trabalhada constantemente nas escolas estaduais do Tocantins visando à formação de cidadãos comprometidos em cuidar da saúde do Planeta. Foi com esse intuito que a Escola de Tempo Integral Deoclides de Muniz, localizada no município de Almas, criou uma projeto que foi além dos muros da instituição e envolveu a população da cidade no projeto Papa-Pilhas. A iniciativa tem como objetivo recolher pilhas e baterias usadas e dar o destino correto a esses materiais que iriam para o lixo comum.

O projeto, desenvolvido pelos estudantes da unidade escolar e que foram orientados pela professora de iniciação científica, Fabiana Paiva, consiste em produzir caixas para recolher as pilhas e baterias usadas. Além de confeccionar os Papa-Pilhas, os alunos distribuíram as caixas coletoras em pontos estratégicos do município e promoveram uma grande mobilização no município para que as pessoas pudessem conhecer a iniciativa.  Ao todo, já são 12 pontos de coleta na cidade.

“O Papa-Pilhas foi pensado como uma forma de minimizar os impactos ambientais causados pela destinação incorreta de resíduos como pilhas e baterias. Foi após uma pesquisa de campo com pais, alunos e funcionários da escola, sobre como eles descartavam esse material, que percebemos que poderíamos fazer algo no sentido de esclarecer sobre o perigo de depositar pilhas e baterias no lixo doméstico”, explicou a educadora.

Sustentabilidade

Para os alunos, além do aprendizado adquirido durante a execução das fases do projeto, o sentimento de poder contribuir com a sustentabilidade do Planeta foi o maior ganho. “Com o Papa-Pilhas estamos mostrando para as pessoas a necessidade de dar a destinação correta às pilhas e baterias usadas, reduzindo a quantidade de substâncias tóxicas lançadas no meio ambiente e que representam um risco também para a nossa saúde. Se esses materiais forem depositados em lixões e aterros sanitários, podem vazar e contaminar o lençol freático, o solo, rios e chegar aos alimentos, causando danos às pessoas e aos animais”, explicou a estudante Calina Sadala.

A moradora de Almas, Josirene Santos, já colaborou com o projeto e reconheceu a relevância do Papa-Pilhas.  “Achei a iniciativa da escola muito importante porque conscientiza e incentiva a comunidade sobre esse ato tão comum, mas tão prejudicial à saúde e ao meio ambiente. Acredito que esse pequeno projeto pode crescer muito se todos fizerem a sua parte. A sementinha foi plantada, basta regar, que certamente dará bons frutos”, avaliou.

O projeto conta com parceria da Prefeitura de Almas e da rede de supermercados Extra, que irá recolher o material arrecadado pelos alunos da Escola de Tempo Integral Deoclides de Muniz e providenciar o descarte adequado. 

Regulamentação e Reciclagem

As pilhas e baterias não devem ser depositadas no lixo doméstico, por conter substâncias tóxicas, como mercúrio, cádmio, chumbo, zinco-manganês, acalmo-manganês.  Há estudos que mostram que algumas substâncias podem levar à anemia, a problemas neurológicos e ao desenvolvimento de câncer.

A resolução nº 401/2008, do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) regulamenta o descarte de pilhas e baterias usadas e determina a devolução dos materiais aos revendedores. Estes, por sua vez, devem encaminhar os itens recolhidos aos fabricantes, que são responsáveis pelo destino final desses produtos. Ao serem encaminhadas para reciclagem, as pilhas e baterias têm seus componentes separados, para serem usadas na fabricação de tintas, cerâmica, vidro, dentre outros.