Palmas

Foto: Divulgação

Decreto da Prefeitura de Palmas, de número 1.460, de 20 de setembro, determina que os servidores ocupantes de cargos de provimento em comissão e os servidores dos quadros da educação que estão a serviço de outros órgãos ou entidades da administração municipal, fiquem à disposição da Secretaria Municipal da Educação. O ato foi publicado no Diário Oficial de Palmas de ontem, de número 1.842. 

Segundo considerações, a convocação dos servidores é imprescindível para a manutenção do funcionamento dos serviços nas escolas municipais, que estão com déficit de pessoal em razão da greve, a fim de resguardar a continuidade dos serviços públicos e que os servidores ocupantes de cargos de provimento em comissão serão disponibilizados para realizar serviços administrativos nos ambientes escolares e que aqueles originários dos quadros da Educação, as funções próprias de seus cargos efetivos, enquanto perdurar a situação grevista.

O decreto é assinado pelo prefeito Carlos Amastha e por Danilo de Melo Souza, secretário municipal da Educação. 

Sintet/Greve 

Os profissionais da rede municipal da Educação de Palmas estão em greve desde o dia 5 de setembro, cobra direitos. Os profissionais da educação estão em greve desde o dia 5 de setembro. A reivindicação da categoria é pelo reajuste da data-base, o pagamento de retroativos, um plano de cargos, carreira e remuneração em dia, além das progressões e do reconhecimento da titularidade dos professores.

Após deliberação em assembleia realizada na última terça-feira (19), sete profissionais da educação municipal iniciaram às 18h00 dessa quarta-feira (20), greve de fome por tempo indeterminado. O protesto está sendo realizado na Câmara de Palmas.

A falta de diálogo por parte da gestão de Palmas é um ponto que vem sendo bastante criticado. Na sessão de quarta-feira, 20, na Assembleia Legislativa, deputados lamentaram o tratamento dado aos profissionais na Capital.