Polí­tica

Foto: Divulgação

Em sessão extraordinária nessa quarta-feira, 25, o vereador professor Júnior Geo (PROS) fez uso da tribuna para repudiar a ação da presidência da Câmara de Palmas de ignorar os trâmites de avaliação de Projetos de Leis pelas comissões e levar a plenário para votação sem a análise necessária. Na ocasião, foram colocados em pauta pela mesa diretora, dentre os projetos, um empréstimo de 50 milhões e cessões de áreas públicas.

A entrada do projeto gerou desgaste na Casa de Leis e estava na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) para análise. A comissão havia decidido realizar audiência pública para discutir com a sociedade a relevância do Projeto de Lei Complementar N° 24 de 2017 que tinha o objetivo de adquirir o empréstimo para aplicar em energia solar para prédios públicos municipais.

Segundo Júnior Geo, não constava no projeto o impacto orçamentário exigido em lei e o Executivo faz sua vontade com o apoio do presidente da Casa e sua base. “Os projetos se encontram em pauta e tendem a serem aprovados, logicamente não com o meu voto”, afirmou.

Geo convidou os colegas do bloco independente para entrar com uma ação na justiça contra o ato considerado arbitrário. “Vamos novamente fazer representação em bloco contra a presidência, levar à justiça, e essa Casa novamente vai entrar em desgaste por medidas adotadas por vossa Excelência”, ressaltou o Júnior Geo se referindo ao presidente da Casa, José do Lago Folha Filho (PSD).

“Espero que esteja ciente que a sua ação não traz prejuízo apenas a sua pessoa, mas a toda Casa, que os vereadores passam a ter a sua imagem danificada mais ainda no período em que a política está duramente sendo criticada por motivos de alguns atores, que infelizmente são aqueles que ocupam a cadeira central como no caso de vossa Excelência”, indignou-se Geo.

Os vereadores do bloco independente, em número menor, retiraram-se do plenário em protesto ao ato e se reuniram para estabelecer as ações jurídicas a serem tomadas nos próximos dias. Tendo a maioria, a base do prefeito na Câmara, aprovou o empréstimo e outros projetos de seu interesse.