Polí­tica

Foto: Divulgação

Em audiência com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a deputada federal professora Dorinha Seabra Rezende (Democratas/TO) reivindicou a retomada das obras das linhas de transmissão do Pará até Miracema. Essas linhas estavam sendo construídas pela Abengoa, mas o trabalho havia sido interrompido.

O ministro garantiu a construção de três linhas em substituição das que estão paradas, sendo duas linhas que saem do Pará até Miracema:

- LT 500 kV Serra Pelada - Miracema C1 e C2, CS, 2 x 415 km, do Pará até o Tocantins - Expansão das interligações Norte-Sudeste e Norte-Nordeste. Parte da solução de escoamento de energia da UHE Belo Monte:

- LT 500 kV Miracema - Gilbués II C3, CS, 418 km – que liga Tocantins a Gilbués, no Piauí - Expansão das interligações Norte-Sudeste e Norte-Nordeste. Parte da solução de escoamento de energia da UHE Belo Monte para a região Nordeste e escoamento do potencial eólico previsto na região Nordeste. Escoamento do Potencial Eólico da Área Leste da Região Nordeste.

O gerente regional da Eletronorte, Carlos Augusto dos Santos, explicou que essas linhas vão aumentar a importância da subestação de Miracema para o Sistema Interligado Nacional - SIN.

Professora Dorinha ainda levou um projeto para utilização das fibras ópticas das linhas de transmissão da Eletronorte para interligar vários municípios do Tocantins, com uma internet mais rápida e mais barata. Além disso, manifestou a sua preocupação com a privatização da Eletronorte e defendeu a permanência da empresa como estatal. O ministro garantiu a preservação da Eletronorte Tocantins como estatal.