Turismo & Lazer

Foto: Tharson Lopes Banco de Areia exalta a beleza e esconde mistérios das Serras Gerais Banco de Areia exalta a beleza e esconde mistérios das Serras Gerais
  • Cachoeira da Andorinha é adornada por vegetação de Cerrado e Caatinga
  • Balneário municipal de Aurora do Tocantins
  • Distante acerca de 500 quilômetros de Palmas, a pequena Aurora do Tocantins pode ser considerada a mais nova fronteira turística do Estado

Distante acerca de 500 quilômetros de Palmas, a pequena cidade de Aurora do Tocantins pode ser considerada a mais nova fronteira turística do Estado. Depois do Jalapão, da Ilha do Bananal, Cantão e das praias do Araguaia e Tocantins, a pequena cidade, com menos de quatro mil habitantes, esconde mistérios e segredos em mais de 280 cavernas e grutas catalogadas, começa agora a receber turistas e visitantes incentivados pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Turismo e Cultura (Seden), contando com o apoio estratégico do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Além de rios de águas transparentes, cachoeiras, mirantes, dunas, montanhas e um povo gentil e acolhedor, a cidade de Aurora é também motivo de estudo acadêmico devido às formações rochosas e os registros de fósseis de animais pré-históricos que viveram na região há milhares de anos. De acordo com o professor doutor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Fernando de Morais, além de acadêmicos tocantinenses, pesquisadores de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo desenvolvem estudos na região. “Nós, da UFT, acompanhamos acadêmicos de mestrado na região, como também trabalhamos em parceria com universidades federais dos demais estados”, afirmou.

Despertar

Mas todo esse potencial ecoturístico da cidade permaneceu escondido até agora. Durante muitos anos só havia divulgação do complexo turístico do Rio Azuis, localizado a poucos quilômetros da sede do município. Com isso, apenas os moradores da cidade sabiam das belezas locais, mas não encontravam divulgação. Caso do pequeno empresário Renato Martins, que durante toda a infância e adolescência percorreu a região de bicicleta, a cavalo e até mesmo a pé. “As pessoas chegavam pra mim perguntando como chegar a tal lugar e como não encontravam uma pessoa para conduzir, acabei me tornando guia turístico meio que à força”, lembra. Já para o jovem Paulo Vítor Máximo Rabelo, natural da região, as belezas naturais da propriedade de seus avós despertaram nele o interesse pelo turismo sustentável. Depois de viajar parte do Brasil e da América do Sul, ele percebeu que era hora de voltar pra casa e buscar na propriedade familiar uma nova forma de renda e de tocar a vida. “Percebi que tinha um paraíso natural na porta de casa. Então, estou investindo nesta área. Vou abrir uma agência de turismo e mais tarde até investir num hostel para receber mochileiros e amantes da natureza”, ressaltou.

Investimentos

Para o ex-professor Nilton Almeida Tavares, a beleza da Fazenda Ribeirão, adquirida há cinco anos, fez com que ele percebesse que poderia encontrar uma fonte de renda com a abertura de sua propriedade para visitação. O local ostenta um rio de água transparente e uma belíssima cachoeira. Depois do incentivo da família, o professor decidiu abrir aos poucos a propriedade e em 2017 já recebeu cerca de 300 visitantes. “Ainda estamos aprendendo como receber as pessoas. Sei que precisamos investir em infraestrutura porque o local tem potencial para isso”, argumenta. De fala pausada e com excelentes argumentos para quaisquer diálogos, o professor é também um atrativo à parte das belezas intactas presentes em sua propriedade, adornada pele vegetação de transição de biomas do cerrado e da caatinga. Quem também está apostando na atividade ecoturística é Niltinho, filho do professor. Vindo de experiências profissionais negativas em Goiânia (GO), ele agora se prepara pra trabalhar junto com a família na divulgação do potencial da fazenda. “Aqui dá para construir chalés, montar área de camping e abrir trilhas de visitação a cachoeiras. Tudo respeitando o Meio Ambiente”, garantiu.

Contando apenas com um pequeno hotel, a cidade ainda carece de investimentos em receptivo e hotelaria. Pensando nesse viés, o empresário do ramo da saúde, Alex Leandro Vieira de Sena, adaptou a propriedade herdada pelos pais e há dois meses começou a receber turistas oferecendo conforto em 24 leitos distribuídos pela casa. “Essa região é muito bonita e carece de investimentos. O retorno certamente é garantido. Basta ter divulgação”, explicou.

Saiba Mais

Localizada no extremo-sudeste do Estado, a pequena cidade de Aurora do Tocantins está próxima da divisa dos estados de Goiás e Bahia. Adornado pelas Serras Gerais, o município conta com pequenos restaurantes, supermercado e correspondentes bancários. Apesar de não contar com um Centro de Recepção ao Turista, no centro da cidade, na praça principal, o visitante pode visualizar fotos dos principais atrativos do município. Feito isso, é só ligar para um dos condutores e agendar os passeios.

Por: Redação

Tags: Aurora do Tocantins, Turismo e Lazer