Estado

Foto: Divulgação

O Sindicato de Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Estado do Tocantins (Sindessto) informou nesta sexta-feira, 17, que o Governo do Estado não cumpriu com a determinação do juiz da 2ª Vara da Fazenda, que no último dia 30 de outubro ordenou que o Estado do Tocantins efetuasse, até o dia 15 de novembro, o pagamento da primeira de 4 parcelas referentes a parte do débito que o governo mantém junto aos prestadores de serviços de saúde.

Com o descumprimento da determinação judicial o Sindessto expressa preocupação em mais uma vez ver interrompido o fornecimento do serviço aos usuários do plano de saúde dos servidores públicos.

Segundo o sindicato, a recorrente falta de pagamento das parcelas leva os prestadores de saúde a um desequilíbrio financeiro, que impossibilita a sustentação dos atendimentos.

O Sindessto informa ainda que a Defensoria Pública solicitou bloqueio das contas públicas no valor total da primeira parcela a ser depositada, que deverá ser transferida ao Fundo do Plansaúde, para que seja efetuado o pagamento aos prestadores de serviços. Foi solicitado ainda que, caso não haja o valor nas contas do Estado, que o secretário da Fazenda seja afastado até que seja cumprida a decisão judicial.