Polí­tica

Foto: Divulgação

Durante sessão ordinária nesta última quinta-feira, 24, o vereador professor Júnior Geo usou a tribuna para questionar a demora no andamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para investigar a aplicação dos recursos do Instituto de Previdência Social do município de Palmas (PreviPalmas), e o mal uso do dinheiro público pelo Executivo em contratações com valores exorbitantes.

Na ocasião, o vereador questionou aos demais parlamentares da Casa de Leis o porquê da demora em iniciar a CPI sobre o PreviPalmas. “Eu me pergunto o porquê desse excesso de proteção, quando quem deveria ser protegido são os interesses da sociedade. Estamos aqui com o propósito de defender o interesse de quem nos elegeu”, afirmou Geo.

O parlamentar também questionou sobre o gasto excessivo na contratação de serviços de carros de sons feita pelo Executivo. “Foi lançado no Diário Oficial do município a contratação de veículos cujo montante é de R$ 54.400,00 para um total de 800 horas de prestação de serviço. Ou seja, o município está pagando R$ 67,50 por hora de carro de som. Este valor está um tanto acima do valor de mercado que é em média R$ 20,00 por hora”, destacou.

“Precisamos saber o que está acontecendo com o dinheiro público. Quando se fala em aumentar taxas e impostos é exatamente para isso, para dar margem à corrupção e isso nós temos que banir. Infelizmente, o dinheiro público parece que está se tornando dinheiro privado, é necessário que façamos alterações na Lei Orgânica para que o percentual de remanejamento do Executivo se restrinja ao máximo de 5%, como acontece no Governo do Estado. Dessa forma, poderemos ter um pouco mais de controle do uso do recurso público e evitar atrocidades com o dinheiro que pertence à sociedade”, ressaltou o vereador.

Por: Redação

Tags: Câmara de Palmas, Júnior Geo, Previpalmas