Economia

Foto: Divulgação

Estão valendo desde o dia 1º de janeiro as mudanças nas regras e na forma de cálculo do Simples Nacional. Entre as principais alterações estão novos limites de faturamento e inclusão e retirada de ocupações no regime. O teto de receita bruta durante um ano subiu de 3,6 milhões para 4,8 milhões de reais para pequenas empresas e de 360 mil para 480 mil reais para microempresas. As alterações também contemplam os Microempreendedores Individuais (MEIs) que saíram do faturamento anual de 60 mil para 81 mil reais.

Essas mudanças possibilitam que mais negócios obtenham os benefícios do sistema. As alterações vão trazer vantagens, como a redução da carga tributária, abertura para novos profissionais ou novas atividades e, consequentemente, mais chances das empresas sobreviverem após dois anos de funcionamento. Vale lembrar que o prazo para os empresários optarem pelo Simples Nacional segue até 31 de janeiro de 2018.

Os donos de pequenos negócios do Tocantins devem ficar atentos. A mudança do regime tributário pode gerar uma redução de impostos, mas se não for bem calculada pode resultar em multas e até sair mais cara para o empresário. Para tirar qualquer dúvida e evitar problemas com o Fisco, o empreendedor pode procurar as unidades do Sebrae no Estado para ficar por dentro de todos os detalhes.

Para o analista técnico do Sebrae Tocantins, Amaggeldo Barbosa, é fundamental que empresários e microempreendedores busquem o apoio de especialistas com relação pontos complexos como as alíquotas progressivas e as formas de cálculo de tais tributos. “Um contador poderá avaliar a melhor decisão a ser tomada em relação ao regime tributário para o seu negócio. Faturando mais, o empreendedor deve verificar se vale a pena continuar como MEI ou migrar para Microempresa”, esclareceu.