Polí­tica

Foto: Divulgação

A Câmara dos Deputados instalou uma comissão externa que irá acompanhar as investigações do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco. 

Na última quarta-feira, 14, a vereadora foi morta no carro em que estava com quatro tiros na cabeça. No carro também estavam o motorista Anderson Gomes, também assassinado, e sua assessora, que foi atingida por estilhaços, mas não sofreu ferimentos graves. Os criminosos fugiram sem levar nada.

Coordenadora adjunta da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, a deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO) foi designada para integrar a comissão e afirmou que o caso Marielle é um exemplo de feminicídio e de violência política contra a mulher. 

Durante a sessão solene em homenagem à vereadora, ocorrida na semana passada, Professora Dorinha disse que o crime, assim como o assassinato de dezenas de mulheres brasileiras todos os dias, não pode ser esquecido. "Que as milhares de mulheres violentadas e assassinadas nesse País não passem em branco. Nós precisamos enfrentar e que o caso Marielle seja simbólico para que esta Casa se envolva numa comissão externa com a participação e envolvimento de todos nós, em especial da bancada feminina", disse a parlamentar tocantinense.