Campo

O projeto da construção, já revisado e aprovado pela Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura da Embrapa, está pronto para ser iniciado tão logo seja concluído o processo licitatório em andamento.

A UEP-TO, criada em 1999, funciona em espaço cedido pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA). O novo prédio, a ser erguido no campus da Universidade Federal do Tocantins (UFT), em frente ao lago da UHE Lajeado, terá 1160 m2 de área construída. "Com a construção da sede própria, a UEP-TO terá condições de receber adequadamente pesquisadores e técnicos de outras Unidades de forma permanente no estado do Tocantins", destaca Roberto Teixeira Alves, chefe-geral da Embrapa Cerrados, Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

"A idéia é termos mais empregados para termos mais ações no Tocantins, estado com potencial agropecuário muito grande", salienta Alves. Entre as ações previstas estão a avaliação de materiais de milheto e sorgo em quatro diferentes locais do Tocantins, em duas épocas de plantio; avaliação de cultivares de mandioca para indústria em três tipos de solo em diferentes períodos de colheita; adubação da cultura do abacaxizeiro; comportamento do capim-massai em solos arenosos do Tocantins e avaliação fenológica de duas cultivares de cajueiro-anão precoce sob sistema irrigado e sequeiro.

Atualmente, a UEP-TO possui nove empregados, sendo cinco pesquisadores, três assistentes e um analista. A sede projetada tem condições de abrigar vinte e cinco pessoas. O incremento no quadro de pessoal irá permitir o desenvolvimento de pesquisas nas áreas temáticas prioritárias definidas pela Embrapa Cerrados para o Tocantins. Agroenergia, fruticultura (abacaxi, banana, maracujá e frutas nativas do Cerrado), solos, integração lavoura-pecuária, mandioca, soja, arroz irrigado, sistema de produção para ruminantes e desenvolvimento rural poderão receber maior atenção.

Para Alves, os resultados já alcançados pela UEP-TO e o potencial para o desenvolvimento sustentável da agropecuária no Tocantins justificam o investimento na construção da sede própria. Os projetos de pesquisa da Embrapa em andamento no Tocantins disponibilizaram, entre outras tecnologias, catorze cultivares de soja recomendadas para a região; diversificação dos quintais de 18 aldeias Krahôs com mudas de fruteiras; lançamento de duas cultivares de arroz; instalação de oito núcleos de criação do besouro rola-bosta para controle biológico da mosca-dos-chifres; indicação de 11 cultivares de feijão e demonstração da viabilidade do uso da integração lavoura-pecuária como alternativa para a recuperação de pastagens degradadas.

O PROJETO

Segundo o arquiteto Chaile Cherne, funcionário da Embrapa Cerrados e autor do projeto, a nova edificação "caracteriza-se pela flexibilidade de uso e pela preocupação com o conforto ambiental". O prédio, projetado em estrutura de aço, terá dois pavimentos. "O projeto é constituído de uma forma simples, mas muito significativa, um pavimento pilotis onde funcionará estacionamento coberto para 11 vagas, setor de transporte, sala para mini-cursos integrada a uma pequena biblioteca, banheiros e dois acessos, sendo um por rampa e outro pela escada", explica.

A estrutura de aço foi escolhida por permitir grandes vãos, reduzir o prazo da obra, proporcionar flexibilidade nos ambientes, contribuir para a definição do estilo moderno e, principalmente, por não trazer problemas ao meio ambiente. O primeiro pavimento será sustentado por oito pilares de apoio duplo em "V". O arquiteto optou pelos pilotis para evitar possíveis problemas estruturais causados pela umidade provocada pelo lençol freático superficial do local.

Embrapa Cerrados

Por: Redação

Tags: Estado, Investimentos, Palmas, Soja, Tocantins, campo, krahôs