Economia

O Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2007 subiu 5,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na quarta-feira, 12, a alta foi de 0,8%, se comparado ao primeiro trimestre e é a maior alta desde 2004. A ACEB – Associação Comercial e Empresarial do Brasil – acredita que isto seja positivo para o país, principalmente para a indústria nacional, que foi a principal responsável pelo aumento.

Este desempenho do PIB é positivo para o micro e pequeno empresário, uma vez que significa o crescimento do mercado interno. "Em 2004, quando o aumento foi de 6,4 no primeiro semestre e 7,5 no segundo, a influência positiva vinha do mercado externo. O resultado desse trimestre deixa claro o quanto a indústria nacional vem crescendo nos últimos anos", analisa Roberto Gonçalves, consultor contábil da ACEB.

Apesar de os resultados confirmarem as estimativas do mercado, ele está abaixo do que poderíamos considerar ideal, que seria um crescimento de 5,8%, em comparação ao mesmo período de 2006, e de 1,2% ante o primeiro trimestre.

O setor de serviços, que tem o maior peso no PIB, cresceu 0,7%, enquanto na agropecuária houve um aumento de 0,6%. O consumo das famílias também aumentou, em 1,5%, e a do governo teve alta registrada em 6,8%.

Para o consultor da ACEB, estes números indicam que a economia brasileira está crescendo de forma equilibrada. "Não é algo exagerado, tudo está acontecendo naturalmente e trará benefícios para o pequeno empresário", afirma Gonçalves.

Ao contabilizar todo o primeiro semestre deste ano, o PIB do país cresceu 4,9% em relação ao mesmo período de 2006, tendo a indústria uma alta de 4,9% e os serviços, 4,7%. Os investimentos, no conceito de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), aumentaram 10,6%. Na mesma comparação, as exportações se elevaram 9,5% e as importações, 19,3%. O consumo das famílias mostrou aumento de 5,9% e o do governo, se elevou em 3,9%.

PIB brasileiro está atrás de China, Índia e Rússia

Apesar do crescimento, o PIB do Brasil continua atrás dos outros países integrantes do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). Na Índia, o crescimento da economia foi de 9,3%, entre abril e junho deste ano, no comparativo ao mesmo período do ano anterior. A alta do PIB da China foi ainda maior: 11,9% no segundo trimestre, também em comparação a 2006.Os dados mais recentes sobre a economia da Rússia são do primeiro semestre de 2007. Entre janeiro e junho o aumento foi de 7,9% ante o mesmo período do ano passado.

Fator Brasil

Por: Redação

Tags: capital, Economia, indústria