Geral

O suicídio entre indígenas é consideravelmente alto em várias regiões do Brasil e tem sido objeto de estudos antropológicos sociais incipientes. Em Mato Grosso do Sul as famílias indígenas da etnia guarani-caiová continuam sendo vítimas de ocorrências trágicas. Ontem, quarta-feira, 20, no final da tarde, um adolescente com 16 anos de idade cometeu suicídio, com a arma do pai. Ao ver o filho morto, o pai também cometeu suicídio com a mesma arma.

A tragédia aconteceu na Aldeia Potrero Guassú, no município de Paranhos, a 575 quilômetros de Campo Grande, na divisa com o Paraguai, extremo sul do Estado. Segundo informações da Funasa - Fundação Nacional de Saúde, desde janeiro deste ano, nove índios cometeram suicídio nas aldeias do MS, incluindo as ocorrências desta quarta. A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as causas do duplo suicídio.

Aculturação

De acordo com dados do Ministério da Saúde brasileiro, apresentados na 1ª Conferência Internacional e no 1º Encontro Nacional de Saúde Mental Indígena em 2007, o risco de morte por suicídio é até seis vezes superior na população indígena. Os maiores índices acontecem entre os indígenas dos 10 aos 29 anos. O problema pode ter relação com a questão da propriedade da terra e aculturação a que são submetidos perdendo suas raízes.

Da redação com informações O Estado de S. Paulo

Por: redação

Tags: Indígenas, suicídio