Estado

Foto: Ricardo Stuckert Marcelo Miranda e presidente Lula durante visita ao projeto Manuel Alves Marcelo Miranda e presidente Lula durante visita ao projeto Manuel Alves
  • Foto - Marcio Vieira
  • Foto - Marcio Vieira
  • Foto - Kleibe Arantes
  • Foto - Kleibe Arantes
  • Foto - Kleibe Arantes
  • Foto - Marcio Vieira
  • Foto -  Marcio Vieira
  • Foto -  Marcio Vieira
  •  Foto - Marcio Vieira
  • Foto - Valério Zelaya

Um público superior a 8 mil pessoas compareceu à inauguração da primeira etapa do projeto de irrigação Manuel Alves, nesta terça-feira, 11, em Dianópolis, seja pela própria dimensão do projeto (que deve chegar a gerar 15 mil empregos diretos e 30 mil indiretos), seja para prestigiar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em sua quarta visita oficial ao Tocantins, acompanhado na solenidade pelo governador Marcelo Miranda (PMDB).

Também estiveram presentes o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima; e o secretário nacional da Infra-Estrutura Hídrica, João Santana Filho, em meio a senadores, deputados federais, deputados estaduais, a dezenas de prefeitos e secretários de Estado.

Durante a inauguração, o presidente Lula falou que a obra é uma das prioridades de seu governo, justificando o investimento de R$ 235 milhões (feito através do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, com contrapartida do governo do Estado). “Esse projeto de irrigação é uma das meninas dos meus olhos”, disse o presidente da República.

Recorrendo a metáforas, Lula colocou o Manuel Alves como representação do desenvolvimento do Brasil, que envolveria todas as camadas sociais. “Esse projeto é a cara da sociedade brasileira”, disse o presidente, após entregar títulos de propriedade dos lotes do Manuel Alves a um empresário, a um pequeno produtor rural e a uma das famílias de agricultores impactadas pela obra. “Aqui você tem um empresário estruturado, tem um agricultor preparado e tem uma família excluída pela sociedade, que nós vamos incluir agora”, completou Lula.

Parceria

Uma das condições para a construção do Manuel Alves, citadas pelo presidente, foi a parceria com o governador Marcelo Miranda. “Fica tudo mais fácil quando você trabalha com um governador que seja seu amigo, não seu amigo político, mas seu amigo no trato, na relação pessoal. Fica muito mais fácil, porque a gente fez as coisas em conjunto, podendo envolver os prefeitos e todo mundo vira cúmplice das boas causas”, declarou o presidente.

O governador, em seu discurso, também agradeceu a parceria. “Com muito orgulho, eu posso afirmar que nunca antes na história deste país um presidente da República foi tão companheiro e visitou tanto o nosso Estado. Graças ao apoio do governo federal, o Tocantins é hoje um Estado que se desenvolve e vem se tornando um verdadeiro canteiro de obras”, declarou Marcelo Miranda.

Após enumerar várias áreas em que o Estado vem despontando economicamente (como o cultivo de grãos, a pecuária e a industrialização) o governador disse, voltado ao presidente, que o “Tocantins acompanha o ritmo de crescimento do Brasil”.

O secretário nacional da Infra-Estrutura Hídrica falou que o presidente Lula “está muito mais presente no Tocantins do que muitos podem pensar”, citando quase uma dezena de projetos de irrigação que estão sendo feitos em parceria, pelos governos federal e estadual. “O presidente está presente, se integrando a um conjunto de forças que haverá de fazer do estado do Tocantins, dentro de 10 ou 15 anos, o Colorado da agricultura brasileira”, disse o secretário, referindo-se ao estado norte-americano do Colorado, que despontou para a agricultura graças à irrigação.

O Manuel Alves

O Manuel Alves, de área total de 20 mil hectares, é um dos maiores e mais modernos projetos de irrigação do país. Foi criado para impulsionar a agricultura no Sudeste do Estado, em especial a fruticultura. Na primeira etapa, foi construída toda a infra-estrutura hídrica (destacando uma barragem para armazenagem de 194 milhões de metros cúbicos de água) e levada a irrigação para uma área de quase 5 mil hectares. Nesta primeira etapa, 63 lotes foram licitados. Outros 5 mil hectares serão licitados ainda em 2008.

Além de desenvolver a agricultura irrigada, o projeto também deverá servir à piscicultura, à geração de energia elétrica (com capacidade para 8 megawatts) e a diferentes modalidades de lazer.

Da redação com informações Secom

Por: Redação

Tags: Dianópolis, Estado, Projeto Manuel Alves