Economia

Foto: Kátia Milhomem

O secretário da Indústria e Comércio, Eudoro Pedroza, presidiu reunião nesta quarta-feira, 12, na sala de reuniões do Palácio Araguaia, onde foi apresentado um estudo de viabilidade da instalação de um porto fluvial no Tocantins e a consolidação do sistema multimodal de transporte, ampliando os atrativos do Estado. O estudo, que vai ser apreciado pelo governo do Estado, reforça ainda a importância da navegabilidade do Rio Tocantins como alternativa para o escoamento de cargas.

A pesquisa foi realizada pelo consultor logístico, Klauss Weyand, que na oportunidade apresentou cases europeus que comprovam a eficácia do transporte fluvial e destacou a necessidade de se formar um grupo de trabalho que viabilize a construção e os investimentos para a obra. Klauss afirma ainda que a indústria não se desenvolve sem uma logística eficiente e que incentivos fiscais não são o bastante para atrair investidores.

Segundo a pesquisa, existe uma demanda, inicialmente por empresários de Manaus, por serviços de armazenagem de cargas no Estado, o que justifica os investimentos em plataformas multimodais e logística. O estudo comprova que o transporte hidroviário e ferroviário tem menor custo em relação ao rodoviário, meio que é utilizado para escoamento de cargas atualmente. Enquanto se gasta R$ 2,80 por quilômetro de rodovia, a ferrovia fica em R$ 0,74 e a hidrovia chega a R$ 0,23.

Eudoro Pedroza ressaltou a importância da criação de um porto aduaneiro no Estado. Segundo ele, o Tocantins tem localização privilegiada e está em vantagem geográfica em relação aos outros estados. “Nossa meta é que 15% do faturamento que sai da Zona Franca de Manaus e passa pelo Estado fique por aqui, o que equivale a R$ 260 milhões”, explicou Pedroza.

O secretário expôs a preocupação com as plataformas multimodais e a integração que elas precisam ter com as indústrias, para que investidores de todo o mundo possam vir para o Tocantins atraídos por este diferencial.

Estavam presentes na reunião representantes das secretarias da Indústria e Comércio, Segurança Pública, Trabalho e Desenvolvimento Social, Habitação e Desenvolvimento Urbano, Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Planejamento, Educação, Agência de Fomento e Unitins, além de entidades de classe e empresários.

Fonte: Secom

Por: Redação

Tags: Economia, Porto Fluvial