Estado

Foto: Frederick Borges Estado tem grande potencial para produção de biocombustíveis Estado tem grande potencial para produção de biocombustíveis
  • Estado será cortado por ferrovia pelos quatro cantos - Foto - Di Pietro
  • Tocantins já usufrui dos benefícios da ferrovia - Foto - Marcio Di Pietro
  • Foto - Marcio Di Pietro
  • Cultura da mamona - Frederick Borges
  • Frederick Borges

O Brasil protagoniza hoje um novo papel no cenário da economia mundial. Ao lado da Rússia, da Índia e da China, forma o bloco de países emergentes que acelera mudanças nas relações de comércio internacional. O avanço da produção e do poder de compra da população dessas nações está re-oxigenando o capitalismo.

Com um crescimento na ordem de 5,2% em 2007, o Brasil, que há tempos repelia o capital estrangeiro devido à sua instabilidade econômica, hoje está no centro das atenções. O mercado brasileiro se tornou ainda mais atrativo, por ter excelentes condições de logística, de energia e de consumo. Alguns estados do Brasil se destacam por reunir todos esses requisitos, aliados a uma política de desenvolvimento sustentável. O Tocantins é um deles. Situado na região Norte, se sobressai pela capacidade de produzir bioenergia em larga escala, sem diminuir a produção de alimentos.

Segundo relatório do World Economic Outlook, divulgado no início de abril, em Washington (EUA), pelo FMI - Fundo Monetário Internacional, a economia brasileira crescerá mais do que a economia global. O FMI reduziu em 0,5 ponto percentual a previsão de crescimento da riqueza mundial. Em 2008, a economia global deve aumentar 3,7%. O Brasil deverá alcançar, este ano, um crescimento de 4,8%, o Tocantins faz parte desses índices, contribuindo para a abertura de novos negócios e oportunidades.

Com pouco mais de 27 milhões de hectares, o Tocantins - mais novo Estado brasileiro - possui 14,9 milhões de hectares de área protegida e 13 milhões de hectares de terras agricultáveis, das quais 7,5 milhões são pastagens e terras em produção. O destaque está em 5 milhões de hectares, consideradas terras de baixa ocupação ou recuperada, ambiente propício para o cultivo de plantas oleaginosas usadas na produção de biocombustíveis.

Esse potencial tem chamado a atenção de investidores nacionais e internacionais. Por aqui, em solo tocantinense, já aportaram empresas como a Votorantim Cimentos e a Brasil Ecodiesel. Outras oito empresas de grande porte estão em processo de instalação, totalizando cerca de R$ 461 milhões de investimentos e quase quatro mil novos empregos diretos serão criados.

Logística

O Tocantins está se tornando o centro logístico do Brasil. Prestes a operar uma estrutura viária multimodal, capaz de aumentar a competitividade de diversos setores produtivos, desde grãos, carnes, combustíveis e minérios, o Estado se posiciona estrategicamente na economia do país.

A Ferrovia Norte-Sul, estrada de ferro de quase 2 mil km, que corta o Brasil de ponta a ponta, terá mais de 700 Km de trilhos no Tocantins. A Norte-Sul atravessa o cerrado brasileiro e interliga as regiões Norte e Nordeste ao Sul e ao Sudeste, através da Estrada de Ferro Carajás (EFC), Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), Ferroban e Sul-Atlântica.

A obra vai garantir o escoamento da produção das regiões Norte e Centro-Oeste, de maneira rápida e barata, até o Porto de Itaqui, no Estado do Maranhão, a saída mais rápida para a Europa e Estados Unidos. Através dos Pátios Multimodais, a Ferrovia está interligada a uma malha rodoviária em excelente estado de conservação e, com a Hidrovia Tocantins, que em breve estará em operação, fecha-se o ciclo multimodal tocantinense.

Tocantins: em busca de investimentos

Para atrair novos investidores, o governador do Tocantins, Marcelo Miranda, empreende missão oficial à China e aos Estados Unidos, entre os dias 18 deste mês e 6 de maio. A comitiva é chefiada pelo governador, e atenderá compromissos empresariais no Oriente e participará de simpósio e fórum voltados para o desenvolvimento sustentável em Nova Iorque.

No próximo dia 18 de abril, junto com auxiliares técnicos e políticos, Miranda fará, por dez dias, visitas de negócios a empresas do ramo de eletrônica, óptica e processamento de minérios na China. A busca por recursos para industrialização do Estado começa pela cidade de Shenznen, seguindo depois para Xiamen, Shanghai e terminando na capital, Pequim. “Com essas visitas esperamos ampliar ainda mais nossas relações comerciais com os grupos empresariais chineses. É também uma forma de retribuir as visitas de comitivas de empresários deste país que já demonstraram interesse no Tocantins”, destaca o governador.

Entre os benefícios que devem ser apresentados pelo Governo do Tocantins aos empresários chineses estão os incentivos fiscais. Um exemplo, além dos recursos do FNO - Fundo Constitucional de Financiamento do Norte e do Finam – Fundo de Investimento da Amazônia, são os mecanismos do próprio Estado para incentivar o desenvolvimento, como a Agência de Fomento e os programas PROSPERAR - Programa de Incentivo ao Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins e PROINDÚSTRIA - Programa de Industrialização. Os dois subsidiam a arrecadação de ICMS, que pode ter redução de até 29,41% em casos de instalação de indústrias.

Da China, a missão do governo tocantinense parte para Nova Iorque, onde fica até o dia 6 de maio. Em solo americano, o governador apresenta as potencialidades do Tocantins para empresários, no Fórum das Américas: “Brasil: 27 Countries. One Nation”. Em pauta, a produção de bioenergia e oportunidades geradas a partir da Ferrovia Norte-Sul. Ainda nos Estados Unidos, os resultados da política de desenvolvimento do Tocantins serão apresentados no Fórum de Desenvolvimento Sustentável, organizado pela Associação das Nações Unidas – Brasil

Fonte: Secom

Por: redação

Tags: Economia, Estado