Estado

Foto: Lia Mara Paulo Sidnei durante palestra apresentada no seminário em Araguaína Paulo Sidnei durante palestra apresentada no seminário em Araguaína

Com a Ferrovia Norte-Sul, o Tocantins será o único Estado brasileiro a ter três sistemas de transporte – ferroviário, hidroviário e rodoviário - operando de modo integrado, barateando o frete, encurtando distâncias e exportando suas riquezas. Esta foi uma das defesas feitas pelo governador em exercício Paulo Sidnei, durante a abertura do 1º Seminário sobre o Eixo de Desenvolvimento Sustentável do Tocantins/Ferrovia Norte-Sul, na noite desta sexta-feira, 25, no parque de Exposição Agropecuária de Araguaína, a 368 km de Palmas.

Paulo Sidnei explicou para uma platéia de aproximadamente 300 pessoas, entre políticos, empresários, agricultores, pecuaristas e comerciantes que, com a finalização da ferrovia, aliada à implantação da hidrovia dos rios Tocantins e Araguaia, o Estado poderá exportar seus produtos de modo muito mais rápido, reduzindo o custo de transporte. “Vamos reduzir em até oito dias o tempo de transporte de cargas até destinos como a Ásia e o Oriente Médio. Vamos diminuir com isso o valor do frete, que tem peso decisivo no preço do produto”, disse. O custo de transporte de um navio de 200 mil toneladas de cargas é de R$ 35 mil por dia.

Para o secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Sahium, presente ao evento, o objetivo do seminário é apresentar a empresários, investidores, e à população do Estado, as políticas públicas de desenvolvimento sustentável que serão implantadas pelo governo até 2011, com a chegada da estrada de ferro. “A ferrovia é um avanço significativo para o desenvolvimento do Estado, e nós estamos mostrando aos tocantinenses dados que comprovam que vamos continuar crescendo acima da média do Brasil, se soubermos aproveitar os benefícios que ela trará”, observou. Somente no ano de 2007, o Tocantins alcançou um índice de crescimento de 7%, enquanto o Brasil cresceu 5,4% no mesmo período.

Valor à produção

Sahium ainda explicou durante o seminário que o Tocantins precisa agregar mais valor às mercadorias exportadas. “Nós exportamos a soja, por exemplo, na forma de grãos, mas temos capacidade para atrair indústrias de processamento, que transformem o grão em farelo ou em óleo de soja. Dessa forma agregamos mais valor ao produto. Entretanto, para uma indústria desse porte se instalar em nosso Estado, precisamos aumentar em pelo menos três vezes o volume de nossa produção de grãos”, contou. A produção estadual da safra de soja de 2007 foi de 976 mil toneladas e, além disso, o Tocantins dispõe de cerca de 5 milhões de hectares de terras apropriadas para a agricultura ou pecuária, segundo o secretário.

O coordenador de projetos da Valec, empresa estatal responsável pela construção da Norte Sul, Fabio Levi, explicou que as obras estão ocorrendo dentro do prazo previsto. “Já temos 163 quilômetros da ferrovia concluídos dentro do Tocantins. Nossa previsão é que no final deste ano (2008) cheguemos a Guaraí, e, no final de 2009, os trilhos estejam chegando a Palmas”, considerou.

Hidrovia

Durante o seminário, Paulo Sidnei anunciou que a primeira viagem comercial da Hidrovia do Estado está marcada para o dia 16 de maio. Uma barcaça com capacidade de transportar 400 toneladas de carga fará um trajeto entre as cidades de Pedro Afonso, a 304 km de Palmas, e a cidade de Estreito, no Maranhão.

Fonte: Secom

Por: redação

Tags: Estado