Estado

Foto: Marcio Vieira Nilcéia Freire e Marcelo Miranda durante cerimônia de assinatura dos convênios no Palácio Araguaia. Nilcéia Freire e Marcelo Miranda durante cerimônia de assinatura dos convênios no Palácio Araguaia.

Um convênio assinado nesta quarta-feira, 2, pelo governador Marcelo Miranda e pela ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Nilcéa Freire, garante novas perspectivas de trabalho para 4,5 mil mulheres do Estado. São mulheres que trabalham na quebra do coco-babaçu no Bico do Papagaio, na extração do capim dourado no Jalapão e mulheres de baixa renda de Palmas, que agora serão capacitadas como artesãs e terão oportunidade para aumentar sua renda com a nova atividade.

Com o convênio, o Tocantins será o primeiro estado brasileiro a desenvolver o projeto federal “Trabalho, Artesanato, Turismo e Autonomia das Mulheres”, que beneficiará mulheres de 13 municípios. De imediato, serão liberados R$ 600 mil para as ações.

Segundo a ministra, o projeto foi concebido a partir de viagens anteriores que fez ao Tocantins. “Essa inspiração que surgiu aqui no Tocantins nós vamos estender a outros estados, a partir do conceito de que não devemos corromper os talentos naturais, mas qualificá-los, de modo a agregar valor aos produtos artesanais e colocá-los no mercado”, considerou Nilcéa Freire.

O governador, na solenidade, destacou que o projeto surge inserido nas estratégias do Estado. “Esse projeto vem ao encontro de tudo o que nós temos discutido no Tocantins e no País, que é o de gerar oportunidades, de gerar renda, isso a partir de ações que promovam o resgate da cidadania”, considerou Marcelo Miranda.

O presidente da Fundação Cultural do Estado, Júlio César Machado, destacou que o projeto surge através da união do poder público com as entidades sociais. “As mãos que quebram o coco babaçu e que movem as hastes flexíveis do capim dourado, hoje estão juntas às mãos da ministra na assinatura do convênio. São estas mãos que estão transformando a cultura do Estado”, disse.

A solenidade de assinatura do convênio contou com a presença da primeira-dama do Estado, Dulce Miranda, de parlamentares e autoridades femininas, mas também com a presença de diversas lideranças de base, como a líder das quebradeira de coco-babaçu, dona Raimunda; a pioneira do artesanato com capim dourado, dona Miúda; e a educadora e missionária Margarida Lemos Gonçalves, notória por sua atuação na cidade de Lajeado.

O projeto

O projeto “Trabalho, Artesanato, Turismo e Autonomia das Mulheres” será desenvolvido pela Fundação Cultural, em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e com o Ministério do Turismo. A seleção das participantes dos cursos deve ser feita em setembro.

A comercialização da produção artesanal será feita diretamente pelas mulheres, nas rotas turísticas do interior do Tocantins e na Casa do Artesão, instalada no centro de Palmas.

Regiões

No Jalapão, serão beneficiadas mulheres de seis cidades, com conhecimento sobre uso racional do capim dourado e com novas técnicas de artesanato, envolvendo, entre outros conceitos, design e customização.

No Bico do Papagaio, serão atendidas mulheres de seis cidades, com aulas de artesanato em babaçu e em palha de buriti, atividades consideradas menos desgastantes e mais rentáveis que o extrativismo e a quebra do coco-babaçu.

Fonte: Secom

Por: Redação

Tags: Estado