Campo

Foto: Lenito Abreu

Com o fim dos sintomas de estomatite vesicular nos animais do Sítio Maré Mansa, próximo a Paranã, Sudeste do Estado, a propriedade entra em observação por um período de 21 dias, a partir da sexta-feira, 17. A medida busca confirmar o fim do ciclo da doença e é o último procedimento realizado pela Adapec – Agência de Defesa Agropecuária antes da liberação do local.

A propriedade foi interditada no dia 16 de setembro, mesmo dia em que o caso de estomatite em quatro animais foi informado pelo fazendeiro aos técnicos da Adapec. No dia 19 foi confirmada a doença, tipo indiana, por meio de exames laboratoriais. Além da interdição do Sítio, as propriedades rurais próximas à notificação, num raio de 10 km, foram monitoradas e a fiscalização do trânsito de animais na região intensificada pelos fiscais da Agência. Ao todo, foram instaladas nove barreiras nas proximidades, sendo duas fixas e sete móveis, mobilizando dezoito pessoas na ação.

As medidas tomadas pela Adapec estão em conformidade com o Código Internacional Sanitário dos Animais Terrestres da OIE – Organização Mundial de Saúde Animal. O objetivo principal é evitar a disseminação da doença, apesar de a ciência ainda não ter desvendado totalmente a forma de contágio da estomatite vesicular, sendo que há relatos de contaminação por meio de mosquitos.

Como a estomatite vesicular é de notificação internacional obrigatória, os países que importam a carne e subprodutos tocantinense foram informados pelo Ministério da Agricultura no dia 22 de setembro e as certificações sanitárias para exportações de carne, do Tocantins para a Rússia, foram suspensas na mesma data. Após os 21 dias, o Mapa solicitará ao Governo Russo que mantenha a suspensão das certificações somente para Paranã, liberando o restante do Tocantins para as exportações.

Casos

A estomatite vesicular já foi observada nos Estados Unidos, México, América Central e América do Sul, sendo que são conhecidas duas cepas virais distintas: New Jersey (NJ) e Indiana (I). Em junho deste ano, foi notificado um caso de estomatite no município goiano de Cavalcante, que faz divisa com o Tocantins, e todas as medidas sanitárias de vigilância e fiscalização foram tomadas pela Agência Goiana de Defesa Agropecuária e pela Adapec. No início do ano, a doença foi registrada em Mato Grosso, no município de Cocalino.

Estomatite Vesicular

Doença infecciosa que acomete eqüinos, bovinos, suínos, mamíferos silvestres e pode ser transmitida ao homem por meio do contato com fluídos dos animais afetados. É causada por um vírus do gênero Vesiculovirus, da família Rhabdoviridae e os sinais clínicos são semelhantes aos observados na febre aftosa, como aftas, febre e salivação. Também podem ocorrer lesões no úbere e casco do animal. O período de incubação vai de 2 a 8 dias, sendo que o curso da doença varia de 2 a 21 dias.

 

Fonte: Secom

Por: Redação

Tags: Adapec, Estomatite, Sítio, campo