Ciência & Tecnologia

O grupo WiMax Forum, que representa mais de 530 empresas comprometidas com essa tecnologia de banda larga sem fio, estima que até 2012 a América Latina terá mais de 13 milhões de consumidores desse tipo de conexão, volume que equivalerá a 10% do total mundial.

Atualmente, segundo o grupo, 95 implantações de redes WiMax estão sendo feitas no Caribe e América Latina, mas em boa parte dos países o leilão de licenças ainda não ocorreu, como é o caso do Brasil.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) chegou a agendar um leilão de freqüências WiMax em setembro de 2006, mas ele foi suspenso na data pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e a agência decidiu rever todo o processo.

Na época, cerca de 100 propostas foram entregues para a compra de licenças. A expectativa da indústria é que um novo leilão aconteça em 2009.

Apesar disso, Embratel, Brasil Telecom e Neovia possuem freqüências de um leilão realizado em 2002, antes mesmo do WiMax ser conhecido, e já oferecem conexão à Internet por esse meio em algumas regiões do país.

Na Argentina, segundo o WiMax Forum, mais de 100 empresas também expressaram interesse em adquirir licenças no leilão que será realizado.

Jamaica e Colômbia também tem planos de realizar a venda de licenças para essa tecnologia a partir de 2009.

Segundo comunicado do WiMax Forum à imprensa, atualmente, mais de 35 empresas do grupo produzem estações radiobase WiMax, 30 empresas fornecem placas para conectar PCs, modems e outros dispositivos pessoais, enquanto 25 empresas fornecem grupos de circuitos integrados.

Mundialmente, mais de 400 implementações de redes WiMax estão acontecendo em mais de 133 países.

 

Fonte: Reuters

 

Por: Redação

Tags: Anatel, Embratel, Mundo Digital, Oi, Wimax