Ciência & Tecnologia

A rede mundial de processamento de dados Worldwide LHC Computing Grid (WLCG) celebra o início de seu grande projeto tecnológico: a análise e a gestão a mais de 15 milhões de Gigabytes de dados ao ano, que se gerarão a partir de centenas de milhões de colisões subatômicas que terão lugar no interior do LHC a cada segundo.

O WLCG combina a potência de armazenamento e de cálculo a mais de 140 centros informáticos, situados em 33 países diferentes. Na Espanha, o Port d’Informació Científica (PIC), situado no campus da Universitat Autònoma de Barcelona, é o Centro Regional de nível Tier-1 – o nível 1 dentro da hierarquia dos centros – que se conecta diretamente com o CERN para receber os dados do LHC.

“Nossa capacidade de gerir dados a esta escala é o resultado de muitos anos de trabalho”, diz Ian Bird, diretor do projeto WLCG. “O resultado que vemos hoje demonstra que a colaboração entre países de todo mundo foi um sucesso. Sem estas alianças internacionais, consegui-lo teria sido impossível”.

“O Worldwide LHC Computing Grid é um pilar fundamental do projeto LHC”, afirma Jos Engelen, diretor científico do CERN e do projeto LHC. “É absolutamente necessário para a análise dos dados do LHC. É o resultado de uma ‘revolução silenciosa’ que teve lugar na informática a grande escala nos últimos cinco anos.”

Gonzalo Merino, pesquisador do CIEMAT e responsável do Tier-1 no PIC, destaca que "o Port d'Informació Científica, na Universitat Autònoma de Barcelona, é um dos onze centros principais do Worlwide LHC Computing Grid. Durante os 15 anos de funcionamento do LHC passarão por aqui milhões de Gigabytes de dados a cada ano, que serão filtrados em nossos computadores e redistribuídos a outros de centros de todo mundo para que milhares de cientistas os possam analisar”.

O Worldwide LHC Computing Grid utiliza redes dedicadas de fibra óptica para distribuir os dados desde o CERN, a onze grandes centros de dados da Europa, América do Norte e Ásia. Destes centros os dados se redistribuem a mais de 140 centros de todo mundo mediante as redes acadêmica e de investigação.

“A conexão especial para o LHC de 10 Gbps que proporcionamos em colaboração com a Anella Científica e a rede européia GEANT2 chegou a transmitir mais de 20 Terabytes 2 / 3 ao dia entre o CERN e o PIC”, informa Tomás de Miguel, diretor de RedIRIS, a rede acadêmica e de investigação espanhola.

O gigantesco volume de dados se compõe de milhões de ficheiros que podem ser processados independentemente. Manuel Delfino, catedrático da UAB e diretor do PIC, explica que “cada um destes ‘trabalhos’ é um cálculo individual que pode durar várias horas, ou inclusive dias, num processador de última geração. Mais de mil processadores trabalham simultaneamente para gerir a onda de dados do LHC que chegam ao PIC .”

A física não é a única disciplina que se beneficia da computação Grid. “Muitos outros pesquisadores e projetos já estão se beneficiando das lições aprendidas aqui. A computação Grid nos permite fazer ciência de maneira totalmente diferente”, afirma Juan Antonio Rubio, diretor geral do CIEMAT e presidente da Comissão Gestora do PIC.

Branca Palmada, da Universitats i Recerca e membro da Comissão Gestora do PIC, destaca que “a participação do PIC ao mais alto nível no projeto WLCG, e na infra-estrutura Grid européia EGEE, levou A Cataluña e A Espanha técnicas e metodologias que beneficiam a investigação em muitas outras disciplinas, desde a astrofísica até a medicina”. O projeto europeu EGEE, Enabling Grids for E-sciencE, tem construído a infra-estrutura Grid maior do mundo e dá suporte diretamente a WLCG.

“Vemos com muita satisfação o sucesso do PIC a nível internacional”, diz o reitor da UAB Lluís Ferrer. “Estamos orgulhosos de que seja fruto da colaboração de nossa universidade com o DIUE, o CIEMAT e o IFAE”.

Sobre o PIC

O Port d’Informació Científica (PIC) é um centro fruto da colaboração entre a UAB e o Ministério de Ciência e Inovação, através do Centro de Investigações Energéticas, Meio ambientais e Tecnológicas (CIEMAT), o Departament d'Innovació, Universitats i Empresa (DIUE), da Generalitat de Cataluña, e o Institut de Físico d’Altes Energies (IFAE). Está situado no campus da UAB em Bellaterra e faz parte do Parc de Recerca UAB. Foi designado em dezembro de 2003 como o centro espanhol Tier-1 para o LHC, projeto que executa com o financiamento do Plano Nacional de I+D+i.

Sobre o Large Hadron Collider

O LHC, situado no CERN, cerca de Genebra (Suiça), é o acelerador de partículas maior do mundo. Uma máquina desenhada para ajudar-nos a entender a composição da matéria e as origens de nosso universo. Para milhares de físicos, analisar os dados do LHC utilizando o Worldwide LHC Computing Grid será como procurar ouro numa mina digital. Espera-se que sua investigação desenterrará a evidência de novas partículas fundamentais proporcionando assim pistas sobre a natureza última da matéria e a origem do universo.

Sobre a computação Grid

A computação Grid conecta computadores distribuídos por uma grande área geográfica. Do mesmo modo que o World Wide Web permite o acesso a informação, os Grid de computação permitem o acesso a recursos informáticos. Estes recursos podem ser sistemas de armazenamento, potência de cálculo, sensores e ferramentas de visualização, entre outros.

Os Grids permitem combinar os recursos de milhares de computadores para criar um computador virtual de enorme potência, acessível de maneira transparente desde qualquer computador pessoal, e útil para múltiplas aplicações científicas e empresariais, entre outras. O projeto europeu Enabling Grids for E-sciencE (EGEE), opera a infra-estrutura Grid maior do mundo. O PIC participa como centro de dados e computação e como centro regional de operações para Espanha e Portugal.

Fonte: Universia

Por: Redação

Tags: Mundo Digital, Wordwide