Polí­tica

Foto: Divulgação

Aproximadamente 40 filiados do PPS metropolitano compareceram ao Hotel Casagrande na noite desta terça-feira, 9, para discutir o resultado e a participação do partido nas eleições municipais de outubro.

Na oportunidade, nos bastidores do encontro, alguns filiados comentaram sobre as perspectivas eleitorais de 2.010 e questionaram a capacidade do vice-governador Paulo Sidnei para ser candidato a governador.

Durante o encontro os filiados também questionaram a participação do partido na próxima administração Raul Filho (PT). A ex-candidata a vereadora, Sara Campos, membro da executiva nacional disse que “na hora de ajudar o PPS é chamado, mas no pós-eleição o partido é esquecido”, reclamou. Sara ainda disse que na capital o partido foi um fiasco e é visto como fisiologista e de aluguel.

As reclamações não pararam por aí. O ex-candidato a vereador, Magalhães - o mais votado do PPS na capital - afirmou que se sentiu desprotegido durante a campanha, “sem a ajuda dos companheiros”. Ele afirmou que fez a campanha andando, “tirei 518 no pezão” e reclamou que não teve ajuda da coordenação de campanha que foi gerenciada pelo filiado Rubens Amaral.

Magalhães ainda reclamou da transparência na indicação de Amaral, quando ocupou a pasta Desenvolvimento Urbano de Palmas, “sem consultas ao partido”. A colocação foi prontamente rebatida pelo presidente metropolitano, Abrão Lima, que disse que o “partido foi consultado sim e ele (Rubens Amaral) tem 12 anos de filiação”, disse.

Abrão Lima também rebateu a afirmação de filiados que disseram que o PPS tem pouca participação na administração da capital. Segundo ele o PPS ocupa 48 postos na prefeitura de Palmas e lembrou que o filiado Helio Rabelo ocupou a direção do Banco do Povo este ano, o que deixou o partido à frente de três pastas de primeiro escalão em determinado momento da administração Raul Filho.

O filiado Edemar Gomes Melo, que ocupa uma diretoria na prefeitura disse que tem sido motivo de chacota nas ruas de Palmas “ você está no PPS ainda rapaz? Aquele Abrão não faz nada não”, disse. Ele questionou que o partido tem que ter uma posição de destaque com relação ao próximo governo de Raul Filho, inclusive melhorando a imagem do partido.

O presidente metropolitano do PPS afirmou durante o encontro de avaliação que sob sua direção o partido foi vencedor ganhando as eleições de 2004, 2006 e 2008 e procurou tranqüilizar os presentes dizendo que confia em Raul Filho e na hora certa se reunirá com o prefeito.

Segundo ele o prefeito ligou na segunda-feira à noite para informar que fez uma cirurgia de hérnia e logo depois da diplomação iniciará as conversações com os partidos. Ainda segundo Abrão o partido não ficará com menos pastas de primeiro escalão do que as que já tem. “O partido é um irmão de Raul e ele sempre foi sensível aos problemas do partido”. O procurador do município e também filiado do partido, Antônio Luiz Coelho, lembrou que foi no PPS que tudo começou - em referência ao período em que Raul esteve filiado no partido”.

Paulo Sidnei

O vice-governador foi criticado por Sara Campos que disse que ele é líder no partido “mas não deu apoio moral aos candidatos”. Sua crítica foi ratificada pela ex-candidata a vereadora pelo PPS em Lajeado Sheila Lustosa, que participou da reunião e disse que procurou o vice-governador e não teve apoio.

Abrão defendeu Sidnei e disse que “ele é um homem integro e na hora que precisou deu o seu apoio aqui em Palmas”, afirmou.

Infidelidade

Durante a reunião alguns filiados cobraram uma posição do partido quanto aos filiados Deocleciano Gomes (ex-secretário de ação social da prefeitura) e Ana Paula que apoiaram a candidata a prefeita, Nilmar Ruiz (DEM).

Abrão disse que para o partido tomar alguma providência abrindo processo disciplinar é preciso ser provocado por algum filiado descontente com a atitude dos infiéis. Um filiado chegou a dizer que se o partido tem em seu quadro pessoas que foram infiéis e não toma providência isto é prova que o “partido é uma sigla de aluguel”.

Antônio Luiz Coelho disse que aqueles que ouviram o canto da sereia descobriram que ela não existe

Fusão

Alguns membros do partido pediram uma palavra mais concreta do presidente metropolitano quanto aos boatos de que o partido possa vir a se fundir com o PSDB a nível nacional, para que se possa definir o realinhamento partidário. Abrão Lima disse que esta hipótese foi veementemente repelida pelo presidente nacional, Roberto Freire. Segundo ele o que há de concreto é a coligação com o PSDB em 2010.

Candidatos a vereador

Dos candidatos que concorreram a vereador pelo PPS na capital compareceram à reunião: Hildete Araujo, Sara Campos, Magalhães e Abrão Lima. O ex-candidato Netinho não compareceu.

 

Umberto salvador Coelho