Geral

Foto: Divulgação

Para evitar a auto-medicação, a intoxicação domiciliar e dar destino adequado aos medicamentos vencidos ou usados a Farmácia Unimed montou um ponto de coleta. A intenção é reduzir a famosa "farmacinha" que quase todo mundo tem dentro de casa e que pode ser perigoso para toda a família.

“Todas as doações devem passar por uma triagem: os medicamentos que não podem mais ser utilizados vão para a Vigilância Sanitária, responsável em dar destino certo. Já os que ainda podem ser usados, devem ser entregues as instituições filantrópicas credenciadas”, explicou a gerente da Farmácia Unimed Eliane Damas.

Os medicamentos vencidos não podem ser jogados diretamente no lixo comum ou doméstico, porque contaminam o solo e o lençol freático, trazendo sérios problemas para a população.

Estatística do perigo

Os medicamentos utilizados em tratamentos anteriores são perigosos, principalmente, para crianças que podem encontrá-los. Segundo o Ministério da Saúde, em 2005, 5.299 crianças de até 14 anos foram hospitalizadas vítimas de intoxicação. Em 2006, foram registrados 32.884 casos, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz). Os dados mostram que a faixa etária de um a nove anos é a que apresenta maior quantidade de vítimas: 28,6% do total.

O envenenamento é a quinta causa de hospitalização por acidentes de crianças de zero a quatro anos e de 10 a 14 anos. Em Palmas, no ano de 2007 foram notificados no Hospital e Maternidade Dona Regina, 50 casos de crianças internadas por intoxicação.

Já em 2008 foram 42 casos. Os dados da Capital são apenas das crianças que precisaram de atendimento de urgência. Existem ainda as que foram tratadas em postos de saúde e clínicas particulares, cujos efeitos colaterais foram menores.

Fonte: Assessoria de Imprensa