Meio Ambiente

Foto: Divulgação Biólogo faz medição em mucura durante programa de Monitoramento de fauna da UHE Estreito que já catalogou 11 mil  animais Biólogo faz medição em mucura durante programa de Monitoramento de fauna da UHE Estreito que já catalogou 11 mil animais
  • Coleta seletiva é uma prática ambiental desenvolvida dentro do canteiro de obras da UHE Estreito
  • Agentes ambientais capacitados pelo programa de Educação Ambiental em visita ao viveiro de mudas da UHE Estreito

Um dos maiores projetos de geração de energia em construção do país e uma das obras prioritárias do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, a Usina Hidrelétrica Estreito (UHE Estreito) está sendo implantada entre os estados do Maranhão e Tocantins, respeitando todas as normas da legislação ambiental vigente no Brasil, visando sobretudo o desenvolvimento sustentável dos 12 municípios que fazem parte da área de abrangência do empreendimento.

Para garantir esse compromisso, o Consórcio Estreito Energia (Ceste), concessionário da UHE Estreito, está desenvolvendo 39 programas de responsabilidade social e ambiental, contemplados no Projeto Básico Ambiental (PBA) aprovado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Esses programas apresentam ações referentes ao meio ambiente, desenvolvimento social e econômico, saúde, educação, turismo e lazer, cultura e comunicação, promovendo assim, a sustentabilidade da região.

Dos 39 programas, que contemplam os chamados meios físico, biótico e socioeconômico, 20 são voltados para estudos de clima, solo, fauna, água, vegetação, dos quais se destacam os Programas de Monitoramento Climatológico, Monitoramento Hidrogeológico, Conservação da Ictiofauna (estudos de peixes), Monitoramento da Fauna Terrestre, entre outros, que são executados nas diversas fases de instalação da Usina de Estreito, com objetivo de minimizar, prevenir e compensar interferências ambientais.

Para a execução dos programas ambientais, o Ceste privilegia pesquisadores e instituições de ensino da região, como por exemplo a Fundação Universidade do Tocantins (Unitins) e a Universidade Estadual do Maranhão (Uema), além de contratar mão de obra de apoio técnico nos municípios do entorno do empreendimento, gerando mais emprego e renda para a comunidade local.

Esses programas ambientais são realizados de forma transparente para a população que, por meio de reuniões coletivas e campanhas publicitárias, recebe informações detalhadas de como são desenvolvidas as ações.

De acordo com o Diretor de Saúde, Segurança e Meio Ambiente do Consórcio, Dimas Maintinguer, o esforço conjunto nos programas ambientais, resultou na certificação de reconhecimento de conformidade social e ambiental do Ceste, fornecido pelo Bureau Veritas Certification (BVQI), que comprova o cumprimento dos padrões exigidos pela legislação vigente no Brasil e os parâmetros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além dos Princípios do Equador. “Mais do que contribuir para o crescimento da geração de energia para o Brasil, o Ceste se preocupa em conservar as riquezas naturais da região, bem como preservar o relacionamento da comunidade com o meio em que vive”, enfatiza.

Fonte: Assessoria de Imprensa UHE Estreito

 

Por: Redação

Tags: CESTE, Meio Ambiente, Tocantins, UHE Estreito